Amor,

CRÍTICA [CINEMA] : Amor, de Michael Haneke

00:00 Marlo George 0 Comments


Ficha Técnica:

Amor (2012)
(Amour)
Lançamento: 18/01/2013
Duração: 127 min.
Gênero: Drama, Romance
Direção: Michael Haneke
Elenco: Jean-Louis Trintignant, Emmanuelle Riva, Isabelle Huppert.
Origem: França
Idioma: Francês

Sinopse: Georges e Anne estão chegaram aos oitenta anos. Eles eram professores de música que agora estão aposentados. Sua filha, que também é musicista vive em outra cidade com sua família. Um dia Anne tem um ataque e o amor que os três têm um pelo outro é testado.

Em tempos de relacionamentos abertos, de individualismo, divórcios e pais solteiros, pode ser difícil (principalmente para as novas gerações) entender um relacionamento como o de Georges e Anne, protagonistas do filme Amor, do diretor Michael Haneke. Na verdade, acredito que do jeito que as coisas estão, possivelmente este tipo de relacionamento, que perdura no tempo acabará sendo extinto ou, no melhor dos casos, bem raro. Acredito que só os transgressores, rebeldes e inconformistas do futuro irão manter relacionamentos tão duradouros, intensos e pra valer, afinal, viverão em um mundo individualizado, competitivo e solitário.

Num futuro, já bem próximo, só os revolucionários serão de fato felizes, como foram Anne e Georges.

Georges, interpretado por Jean-Louis Trintignant (Divulgação)

No filme Amor, acompanhamos os últimos meses do relacionamento entre Anne e Georges. A vida do casal é virada de cabeça para baixo quando, num terrível dia, Anne perde os movimentos do lado direito do corpo e acaba entrevada em uma cadeira de rodas. Seu marido Georges passa então a dedicar 100 por cento de seu tempo à cuidar de sua mulher, em uma situação que o personagem, ao longo do filme revela ser "humilhante tanto para ela quanto para ele".

Os dias vão passando e a situação de Anne vai piorando cada vez mais, mas Georges mantém a serenidade necessária para enfrentar sua terrível provação. Aos poucos Anne vai ficando mais e mais dependente dos outros para tudo. Já não consegue ir ao banheiro sozinha, se alimentar sem acompanhamento, até que, em certo ponto já não consegue mais sair da cama.

O diretor Michael Haneke com Emmanuelle e Jean-Louis (Divulgação)
A forma brilhante como os atores Jean-Louis Trintignant e Emmanuelle Riva, Georges e Anne respectivamente, performaram neste filme é digna de nota. Ambos estão muito entrosados. Emmanuelle Riva é uma atriz completa e seu trabalho como Anne é primoroso. É tão bem feito que você realmente se convence de que ela está realmente doente. É uma atuação emocionante, e não é pra menos que a atriz francesa, que trabalhou no primeiro filme da trilogia de Krzysztof Kieslowski, A Liberdade é Azul, foi indicada ao Oscar. Ela já ganhou 6 prêmios por seu trabalho em Amor, incluindo o BAFTA Awards de Melhor Atriz.

Amor foi indicado a cinco estatuetas no Oscar deste ano, incluindo Melhor Filme, mas possivelmente só levará uma categoria, Melhor Filme Estrangeiro.

Um filme incrível, mas que pode não agradar à todos. Mas se você não é só mais um na multidão e ainda acredita que o mundo pode ser um lugar melhor para se viver, assista Amor.

Trailer:



0 comentários: