Crítica Quadrinhos,

CRÍTICA [QUADRINHOS] | "Os Surpreendentes X-Men - Superdotados / Perigoso", por Kal J. Moon

05:30 Kal J. Moon 1 Comments

Sinopse: Em "Superdotados", Ciclope e Emma Frost (ex-vilã Rainha Branca do Clube do Inferno, agora namorada de Scott Summers e aliada) remodelaram os X-Men com o objetivo de "surpreender" o mundo. Mas quando uma notícia alarmante relacionada ao gene mutante inesperadamente atinge os meios de comunicação, ela lançará por terra seus novos planos antes mesmo de eles começarem? À medida que a "cura mutante" atinge níveis a ponto de gerar tumultos, os X-Men enfrentam o enigmático Ord, que possui um aliado imprevisto - e alguns adversários inesperados - desequilibrando o embate!
(Encadernação que reúne as edições 1-6 de Astonishing X-Men)

Já no segundo volume, entitulado "Perigoso", quando o Instituto Xavier é abalado por uma trágica morte, os X-Men descobrem que há um inimigo letal entre eles - alguém que tem estudado o grupo durante anos e conhece todos os seus segredos!
(Encadernação que reúne as edições 7-12 de Astonishing X-Men)

Ciclope lidera uma equipe "surpreendente"!

Antes de Joss Whedon se tornar o elogiado diretor do blockbuster Os Vingadores, ele havia criado os seriados Buffy - A Caça VampirosAngelFirefly e Dollhouse, escreveu roteiros recusados para o primeiro filme dos X-Men e para o filme engavetado da Mulher Maravilha.

Apesar disso tudo, ele também foi convidado por Joe Quesada - já editor-chefe da Marvel Comics após seu sucesso de vendas com Demolidor e a linha Marvel Knights - para escrever os gibis dos X-Men após a vitoriosa fase de Grant Morrison a frente do título mutante que trouxe relevância aliado ao sucesso do primeiro filme, dirigido por Bryan Singer.

Reinventando a roda mutante

O primeiro arco, "Superdotados", foi uma tremenda responsabilidade para Joss Whedon pois ele substituía ninguém menos que Grant Morrison, o que, por si só, não é pouca coisa. Mas ele tirou de letra e o sucesso foi tão grande que parte da trama foi utilizada como mote principal do filme X-Men - O Confronto Final - embora, analisando melhor, talvez este fato não seja motivo de orgulho...
Capa da edição nacional

A história começa quando os novos alunos do Instituto Xavier estão assistindo o discurso de boas-vindas de Emma Frost quando Kitty Pride chega ao local, lembrando de muitos fatos do passado. Uma doutora anuncia que conseguiu a fórmula para a tal "cura mutante". E quem fica muito interessado em verificar - e, quem sabe, voltar a ser humano - é justamente Fera, o cientista dos X-Men.

Isso causa repercussão entre a equipe - principalmente com Wolverine, que discorda veementemente, gerando um quebra-pau com o mutante peludo azul, trazendo boas lembranças aos fãs de longa data da equipe. Além disso, eles ainda tem de enfrentar uma ameaça alienígena que proclama uma sentença de morte a um antigo membro da equipe, que eles nem sabiam que estava vivo!

Gerando momentos que geram muitas emoções, principalmente a quem acompanha os queridos mutantes há bastante tempo - Kitty Pride vs Emma Frost! Ciclope nada boboca e peitando Nick Fury! Arremesso Especial! Sala de Perigo! Clube do Inferno! -, "Superdotados" é um arco muito bem trabalhado do ponto de vista da criação, trazendo de volta tudo o que uma boa história em quadrinhos deve ter.
Kitty Pride chega atrasada e entra
durante palestra de Emma Frost... Tsc, tsc, tsc!
O traço de John Cassaday me incomodou em alguns momentos, até porque muitos dos rostos que ele desenhou são um tanto parecidos - até demais. Deve ser mal de desenhista da equipe, uma vez que o célebre John Byrne sofria do mesmo problema. Mas Cassaday surpreende - sem trocadilhos - mesmo nas alucinantes cenas de ação e reações de cada personagem, como se estivéssemos assistindo um filme ao invés de ler um mero gibi...
Capa da edição nacional
Dado o grande sucesso do primeiro arco, "Perigoso" começa com a morte de um dos alunos do Instituto Xavier e descobrimos que a vilã por trás de tal ato é ninguém menos que... a Sala de Perigo! A inteligência artificial rebelou-se e ataca os alunos e nossos heróis.
O que, a princípio, pode parecer tolo como a premissa duma história ruim escrita por Stephen King, revela toda a criatividade de Whedon, alternando suspense, ação e mostrando os personagens lutando contra um vilão que conhece todas as suas fraquezas, medos e anseios.

Explicar mais seria comprometer a diversão de quem ainda não conhece essa emocionante história.

Destaque novamente para o grande texto de Whedon e para o traço cinético de John Cassaday, apesar de continuar achando os rostos desenhados por ele muito parecidos, porém ainda com grande força dramática.

Proposta indecente

Para entender melhor a importância da passagem de Joss Whedon nos quadrinhos dos X-Men, é necessário contextualizar tudo o que aconteceu até ele alcançar o posto de roteirista... O que seria o sonho de muitos roteiristas de histórias em quadrinhos, para Joss tornou-se um pesadelo. Isso porque ele havia terminado a última temporada do seriado Buffy, administrava os roteiros do seriado Angel, dentre vários projetos a considerar. 
Fera atacando a, hã,
"Sala de Perigo" (sério!)

Foi quando numa das edições do evento de quadrinhos San Diego Comic Con - no já distante ano de 2003 - que Joe Quesada "cantou a pedra" para Whedon: "Grant Morrison está deixando o gibi dos X-Men para assinar contrato de exclusividade com a DC Comics e eu tava pensando em você para substituí-lo...".
Whedon agradeceu, disse que estava muito ocupado com seus projeto na TV e, quem sabe, no cinema, mas teria de recusar. Quesada não se deu por vencido e disse que acataria qualquer exigência, desde que Whedon escrevesse 13 edições dos mutantes favoritos da rapaziada...
Whedon retrucou dizendo que se pudesse ter o desenhista John Cassaday (que já havia desenhado um elogiado arco de histórias do Capitão América, além do sucesso Planetary e sempre quis trabalhar com os X-Men) em TODAS as 13 edições do quadrinho mutuna e se pudesse trazer a personagem Kitty Pride de volta à equipe, poderiam conversar, mesmo que ele estivesse ocupado demais para assumir tal empreitada...

Todo mundo quer ler
o gibi escrito por Whedon!
(Pra quem não sabe: Kitty Pride foi a principal influência de Whedon para criar Buffy pois ele sempre foi apaixonado pela personagem desde a adolescência)
Embora ainda estivessem em negociações, o rumor de que Whedon pudesse vir a escrever os X-Men caíram na internet, com recepções negativas. Isso sem contar que Whedon ainda estava com muitas dúvidas se seria realmente capaz de substituir Morrison ou pelo menos estar a altura do que foi escrito por Chris Claremont - ou seja, uma baita responsabilidade...
Foi quando, numa bela tarde, ninguém menos que o próprio lendário Chris Claremont - roteirista dos X-Men por mais de 20 anos - foi aos escritórios da Marvel entregar roteiros das futuras edições de X-Treme X-Men, viu a porta da sala de Quesada aberta e não teve como não perguntar se os boatos sobre a possível contratação de Whedon eram verdadeiros. "Deus, eu quero muito que seja Whedon, mais do que qualquer um dos outros nomes de que ouvi falar", exclamou Claremont. Com essa "aprovação" do mestre, não escrever essa história seria, no mínimo, burrice.

(Whedon não se ilude e acha que Quesada diz isso para todo escritor que vai assumir o título dos X-Men - o que pode muito bem ser verdade...)



Kal J. Moon escreveu, criticou e teve sua inscrição rejeitada no Instituto Xavier por não ser um jovem superdotado... 

Um comentário: