728x90 AdSpace

  • Nerd News

    quinta-feira, 26 de novembro de 2015

    CRÍTICA [TV] | "Marvel´s Jessica Jones", por Marlo George.


    Com grandes poderes, vem grandes responsabilidades.

    A máxima acima, que já serviu de conselho para um famoso herói da Marvel Comics, não poderia ser aplicada à Jessica Jones . No caso dela, seus super-poderes trouxeram apenas mais problemas para sua vida conturbada.

    Jessica Campbell Jones é uma investigadora particular alcoólatra, que tira seu sustento expondo, para quem lhe paga, os podres de terceiros. Serviço sujo? Sim, porém honesto. Por ser superpoderosa procura se expor pouco, agindo com cautela pela cidade Nova York, mas tudo muda quando ela esbarra com um homem muito peculiar. Um sujeito que pode controlar mentes chamado Kilgrave.

    Com roteiro fraco, diálogos desinteressantes e história muito diferente da graphic novel "Alias", de Brian Michael Bends e Michael Gaydos, as aventuras da heroína Safira dos gibis é contada na TV como uma história de gato e rato. E como em todas as histórias desse tipo o final é previsível. Além disso a trama é arrastada, e contém alguns fillers que não contribuem muito com a narrativa e só servem para distrair o espectador enquanto estica a duração dos episódios.

    Porém, colocando isso de lado, a série mais acerta do que erra. Afinal a única coisa que salva este roteiro da danação total é o desenvolvimento e apresentação de personagens, que foram bem feitos.

    Krysten Ritter e David Tennant vivem a anti-heroína e o vilão de Marvel´s Jessica Jones. Ambos, Jones e Kilgrave, são pessoas chatas, inexpressivas, enfadonhas e pouco interessantes. Uma é ébria, anti-social e tem poucos escrúpulos. Enquanto o outro é um sujeito com tendências fascistas, egoísta e que controla mentes. Nas peles de atores errados, tais personagens colocariam ainda mais em risco o projeto, mas a dupla conseguiu caminhar no fio da navalha que separa o minimalismo do exagerado, e conseguiram entregar um trabalho correto, representando muito bem as duas personas.

    Naturalmente estranhos, o "casal" tem química em cena, e isso foi fundamental para me fazer esquecer o script capenga.

    Somos finalmente apresentados ao herói Luke Cage, que veio crescendo em popularidade entre os fãs de quadrinhos nos últimos anos, sendo interpretado por Mike Colter, que se mostrou perfeito para o papel. Acaba sendo impossível pensar em alguém melhor que ele para viver o "casca grossa".


    Outro ponto positivo foi Rachael Taylor que interpreta Trish Walker, a melhor amiga de Jessica. A atriz convence como celebridade fútil que quer ser levada à sério após ter tido uma infância dosada à base de deslumbre e abuso físico. Nos quadrinhos Trish (ou Patsy) é a Gata do Inferno, heroína que chegou a integrar o super-grupo Vingadores. Trish é a segunda participação de Taylor em uma produção  baseada na Marvel. A primeira foi no horroroso filme O Homem-Coisa: A Natureza do Medo.

    Vários personagens conhecidos dos quadrinhos desfilam pela série, porém muito diferentes de suas versões originais . Como por exemplo Malcolm Drake e Dorothy Walker, interpretados por Eka DarvilleRebecca De Mornay, respectivamente. De Mornay é uma estrela e não tem uma participação muito grande na trama, mas Darville é um ator promissor que merece sua atenção. Interpretou um personagem difícil, que tem uma epifania no meio da história, mudando de rumo, e mandou muito bem. Tem futuro esse garoto.

    Carrie-Anne Moss, a Trinity de Matrix, retorna à TV em um papel fundamental ao enredo e volta a ter os holofotes voltados para si, após alguns anos de ostracismo injusto, visto que é uma grande atriz. Como é baseada em um advogado de super-heróis da Marvel Comics, pode ser que seja aproveitada em outras séries e até mesmo no cinema futuramente.

    Do elenco principal só Will Traval não deu conta do recado. Ele é Will Simpson, personagem que não existe nos quadrinhos, mas que alguns apostam ser inspirado em Nuke, que é relacionado ao Wolverine, nos gibis. Traval teve uma performance, digamos, meio que no automático, e não impressionou. Soou amador em alguns momentos.

    Rosario Dawson reprisa seu papel de Demolidor, criando um elo entre as duas séries da Netflix. Ela estará  também em Marvel´s Luke Cage.



    Marvel´s Jessica Jones só desagrada por ser baseada em um gibi muito bem escrito pelo mesmo  individuo que serviu como consultor na série. Brian Michael Bends tinha a obrigação de ter enxugado mais o roteiro, tendo em vista um elenco tão bom e um hype favorável. Se ignorar o roteiro, vale a pena assistir pelas performances e pelos easter eggs.



    Marlo George assistiu, escreveu e achou muito, muito interessante saber que Trish Walker curte uniformes de  super-heróis...
    • Comente no site
    • Comente no Facebook

    0 comentários:

    Postar um comentário

    Item Reviewed: CRÍTICA [TV] | "Marvel´s Jessica Jones", por Marlo George. Rating: 5 Reviewed By: Marlo George
    Scroll to Top