728x90 AdSpace

  • Nerd News

    quinta-feira, 29 de setembro de 2016

    CRÍTICA [CINEMA] | "Demônio de Neon", por Marlo George


    Grosseiro, absurdo, errado, ultrajante... 

    Poucos são os adjetivos negativos para classificar Demônio de Neon, filme escrito e dirigido por Nicolas Winding Refn.

    Demônio de Neon conta a história de Jesse (Elle Fenning), uma modelo amadora de 15 anos. Sua beleza natural chama a atenção da maquiadora Ruby (Jena Malone), que a apresenta ao mundo das modelos profissionais. Porém, após se destacar entre tantas outras meninas que buscam o mesmo sonho, Jesse percebe que esse é um habitat perigoso.

    Com a premissa acima, a proposta de Refn era fazer um filme de horror que tivesse como tema central a obsessão pela beleza. Porém, o diretor se perdeu ao abrir muito espaço para improvisos. Se fossem improvisações bem sacadas, com timing e bom senso, isso seria um mérito. Mas não passam de cenas alongadas por caras e bocas (mais carões, do que bocas), pausas dramáticas e situações escatológicos e sem refinamento. A cena de "amor" no Instituto Médico Legal é algo que deixaria Russ Meyer de cabelo em pé.

    Deste modo, qualquer crítica ou proposta de reflexão à questão da futilidade da cultura da beleza foi minada por uma sucessão de cenas longas, que apesar de serem belamente filmadas e contarem com fotografia impecável, não prestam nenhuma serventia à trama. Quando a fita terminou não me restou nenhum questionamento sobre "a moral da história", apenas um gosto ruim na boca por ter acabado de assistir um filme péssimo.


    O elenco, que conta com algumas estrelas do cinema, foi desperdiçado, e é desagradável assistir os atores tentando dar dar vida à personagens sem conteúdo e background. O filme é estrelado por Elle FanningJena Malone, Abbey Lee (que é modelo profissional e poderia ter servido de fonte para o roteiro) e Bella Heathcote. Traz ainda participações especiais de Christina Hendricks e Keanu Reeves.

    Infelizmente, Demônio de Neon pecou por tentar ser moderno ao extremo. Assista por sua própria conta, e risco.



    Marlo George assistiu, escreveu e sabe que, pra um filme ser vaiado em Cannes (onde se atura de um tudo), é porque tem que ser muito ruim!
    • Comente no site
    • Comente no Facebook

    0 comentários:

    Postar um comentário

    Item Reviewed: CRÍTICA [CINEMA] | "Demônio de Neon", por Marlo George Rating: 5 Reviewed By: Marlo George
    Scroll to Top