FOX,

TV PAGA | Canais FOX podem sair da grade da SKY

19:51 Unknown 0 Comments


Alguns dias atrás recebi em minha TV um comunicado da SKY, serviço de TV por assinatura, que informava que a FOX Networks Group Latin America estava renegociando seu contrato e que, caso não houvesse renovação, eu iria perder os canais do Grupo FOX. Lógico que me alarmei, pois acompanho séries como The Walking Dead e entretenimento esportivo como a WWE RAW e WWE Smackdown Live, atrações de canais como o FOX e FOX Sports 2.

Agora, em comunicado à imprensa, FOX Networks Group Latin America informa que infelizmente não conseguiu fechar um acordo que fosse interessante até o momento. Leia o press-release na íntegra:

“FOX Networks Group Latin America informa os seus fãs que depois de vários meses de negociações com SKY Brasil, infelizmente, ainda não chegou a um acordo para a renovação da distribuição dos seus canais e serviços. Por não alcançar as condições necessárias, a transmissão do seu conteúdo será interrompida no final de janeiro; no entanto, o FOX Networks Group Latin America continuará fazendo todos os esforços para chegar a um acordo. Além disso, os fãs ainda podem desfrutar de todos os nossos canais e serviços disponíveis, em outras operadoras de TV por assinatura ".

Isso significa que, caso o contrato não seja renegociado, à partir de fevereiro os clientes SKY não terão mais acesso aos canais fornecidos pelo FOX Networks Group Latin America: FOX, FX, FOX Sports 1 e 2, entre outros. Seria uma perda incrível, pois a SKY é um dos serviços de TV por assinatura com mais penetração no mercado e, ficar órfão de The Walking Dead (especialmente quando os episódios estão sendo exibidos simultaneamente com os EUA, como é o caso desta sétima temporada) será triste.

Ainda existe uma luz no fim do túnel, afinal, o FOX Networks Group Latin America ainda está tentando renegociar o contrato até o final de janeiro. Portanto, vamos torcer para que as duas empresas cheguem à termo e mantenham os canais na grade da SKY.

Fonte: FOX Networks Group Latin America (via e-mail).

0 comentários: