728x90 AdSpace

  • Nerd News

    segunda-feira, 10 de setembro de 2018

    CRÍTICA [CINEMA] | "Carnívoras", por Kal J. Moon

    Destaque no Festival Varilux de Cinema Francês em 2018, escrito e dirigido pelos irmãos belgas Jérémie Renier e Yannick Renier, estrelado por Leila Bekhti e Zita Hanrot, "Carnívoras" mostra que os bastidores humanos do cinema não são feitos de flores...


    Obviedade sem limites

    O cinema, a TV e a literatura já exploraram ad nauseum o tema dos "irmãos inimigos": Caim e Abel, Baby Jane e Blanche Hudson (em "O que aconteceu a Baby Jane?" com as imortais Bette Davis e Joan Crawford), além dos recentes Jimmy e Charles McGill (do seriado "Better Call Saul", prequel / spin-off de "Breaking Bad"). Em comum, a fraterna rivalidade dos personagens principais com suas idiocrasias e diferenças. E é nesse conhecido terreno que Jérémie Renier e Yannick Renier constroen a história de seu primeiro filme.

    Na trama, Sam (Zita Hanrot), atriz reconhecida profissionalmente, casada e mãe de um menino, não consegue dar conta de sua própria vida. Ela recebe em sua casa a irmã mais velha, Mona (Leila Bekhti), que também é atriz, mas não teve sucesso na carreira e está sem trabalho e sem dinheiro. Aos poucos, uma ambiciona a vida da outra e essas diferenças se acentuam, acabando por interferir na vida de ambas.

    Apesar da inspirada direção de fotografia comandada por Georges Lechaptois - utilizando preferencialmente de ângulos horizontais, não importando onde a câmera esteja posicionada, resultando num filme belo de se ver -, este é o principal chamariz. Os irmãos Renier não conseguem fugir da obviedade com uma trama estranhamente arrastada (mesmo que o filme possua pouco mais de uma hora e meia!), não explorando mais do que o básico de duas esforçadas atrizes (Leila Bekhti está bem melhor em cena do que Zita Hanrot simplesmente pelo fato de carregar o filme nas costas por conta da trama ser vista através de seus olhos), resultando em algo que poderia muito bem ser contado num curta-metragem caso cortasse muitas cenas desnecessárias.

    Até mesmo o plot twist próximo do final - que é bem questionável - perde o impacto perante o esticamento da trama em si, mostrando, por vias tortuosas, o que ocorrerá, sem nenhuma sombra de dúvida. Isso sem contar na insinuação de que as personagens tinham algum tipo de afeição amorosa que ia além do afeto que se sente por alguém da mesma família, sem nem explicar de onde se vem tal sentimento.


    De positivo mesmo, somente a crítica afiada contra a criação de atores e atrizes mimadas a ponto de não conseguirem desenvolver o básico (atuar?) frente a suas frescuras ou nem detrimento de problemas de suas vidas pessoais sendo levados ao local de trabalho. Não vemos isso todo dia num filme...



    Kal J. Moon continua achando que a dance music produzida na França é uma "belle merde"...
    • Blogger Comments
    • Facebook Comments

    2 comentários:

    1. Vi o filme com minha namorada e também achamos que o filme foi fraco, preferimos muito mais o " De carona para o amor " , um filme engraçado, porém reflexivo na sua proposta.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Verdade, Petrus. 'Carnívoras' é mal desenvolvido e se atrapalha para encerrar sua proposta. Uma pena pois a fotografia é muito interessante e bem realizada... (KJM)

        Excluir

    Item Reviewed: CRÍTICA [CINEMA] | "Carnívoras", por Kal J. Moon Rating: 5 Reviewed By: Kal J. Moon
    Scroll to Top