Anne Hathaway,

TV PAGA | HBO e MAX terão programação especial pelo Dia Internacional da Mulher

Toda quarta-feira de março de 2017, os canais pagos HBO e MAX exibem filmes com grandes atrizes no papel principal. Anote em sua agenda...
Anne Hathaway, Queen Latifah e Sandra Bullock são algumas das estrelas
da programação especial do Dia Internacional da Mulher (Divulgação)

Em 01/03/2017, às 22h, as atrizes Shailene Woodley e Eva Green estrelam o drama 'Pássaro Branco' no canal MAX. Na trama, enquanto Kat tenta se divertir, como qualquer adolescente, ao lado do namorado e amigos, sua mãe sofre em um casamento monótono e tem comportamentos estranhos. De repente, a mãe de Kat desaparece e a vida da jovem se descontrola por completo.

No dia 08/03/2017, o canal HBO apresenta uma programação especial dedicada ao Dia Internacional da Mulher. A homenagem começa com 'Um Sonho Possível', às 17h30. Baseado em uma extraordinária história real, o drama - protagonizado por Sandra Bullock - conta a história de Michael Oher, um garoto de rua que se tornou jogador profissional de futebol americano com a ajuda de Leigh Anne Tuohy.

Em seguida, às 19h45, Anne Hathaway entra em cena com Robert De Niro em 'Um Senhor Estagiário'. A comédia mostra a vida pacata do viúvo Ben Whitaker, que sente o vazio que a aposentadoria deixou em sua rotina. Quando surge uma vaga de estágio em uma empresa de moda online, ele enxerga a oportunidade que precisava para voltar ao mercado de trabalho.

'Especialista em Crise' é a atração das 22h. Sandra Bullock, no papel de Jane Bodine, tem uma difícil missão nessa comédia. Ela é assessora de políticos e foi enviada para a Bolívia para ajudar a reeleição do controverso Pedro Gallo nas eleições presidenciais de 2002. Durante a campanha, Jane deverá competir com um forte rival usando as melhores estratégias para garantir a vitória do seu candidato.

Protagonizado por Juliette Binoche, o drama 'Mil Vezes Boa Noite' vai ao ar à 0h. Na história, Rebecca é uma fotógrafa de guerra casada e mãe de duas meninas. Após ser gravemente ferida por uma bomba, seu marido viaja para buscá-la e a faz escolher entre a família e o trabalho.

Para encerrar a homenagem do canal, o filme original HBO 'Bessie' será exibido às 02h. Queen Latifah interpreta a lendária cantora Bessie Smith, apelidada de “Imperatriz do Blues”. O drama é um retrato brilhante de um espírito determinado tirado do anonimato pelo talento e amor à música.

No dia 15/03/2017, o longa 'Marcas do Passado', dirigido por Claudia Llosa, vencedora do Urso de Ouro no Festival de Berlim®, vai ao ar às 22h, no canal MAX. No drama, uma jovem jornalista proporciona o encontro de uma mãe com seu filho, separados por mais de duas décadas. Jennifer Connelly, Mélanie Laurent e Oona Chaplin estão no elenco.

Sally Field é a estrela da comédia 'Doris - Redescobrindo o Amor', que será exibida em 22/03/2017 no canal MAX, às 22h. Ela interpreta Doris, que se sente atraída por um colega de trabalho muito mais novo. Decidida a conquistá-lo, recorre aos conselhos de uma adolescente de 13 anos e se arrisca a viver novas experiências que começam chamar sua atenção.

Para fechar o especial, no dia 29/03/2017, às 22h, o canal MAX exibe o longa 'Carol', que recebeu o maior número de indicações ao Globo de Ouro® 2015 e seis indicações ao Oscar®. Baseado no romance 'O Preço do Sal', o drama é protagonizado por Cate Blanchett e Rooney Mara. A trama gira em torno de Therese, uma aspirante à fotógrafa, que se apaixona por Carol, uma mulher mais velha presa em um casamento de conveniência. Contrariando os padrões éticos da década de 1950, a relação entre elas se intensifica e levanta as suspeitas do marido de Carol.

Para mais informações sobre a programação, acesse o site oficial.

Fonte: HBO (via press-release)

0 comentários:

Bonfilm,

O NOVATO | Comédia francesa ganha prêmio em festival

Com estreia marcada para 20/04/2017 nos cinemas brasileiros, a comédia francesa “O Novato”, dirigido por Rudi Rosenberg, distribuído pela Bonfilm, chega ao país após ser premiado no My French Film Festival 2017, festival de cinema online realizado em cerca de 31 plataformas, entre elas iTunes em 91 territórios. Encerrado no dia 13/02/2017, Rosenberg recebeu os prêmios de “Imprensa Internacional” e “dos Cineastas” do júri presidido pelo diretor Pablo Trapero.
Cartaz oficial (Divulgação)

O longa-metragem - que integrou o Festival Varilux de Cinema Francês de 2016 -, foi eleito a melhor comédia do ano pelo jornal francês Le Figaro e conta a trajetória do adolescente Benoît - interpretado pelo ator Réphaël Ghrenassiarecém-chegado em Paris, a partir do seu primeiro dia na escola. Mesmo tímido, ele tenta se enturmar com os populares, mas não é bem aceito.

Fonte: Bonfilm (via press-release)

0 comentários:

Anya Taylor-Joy,

FRAGMENTADO | Novo filme de M. Night Shyamalan ganha cartaz nacional

Com mais de US$ 126 milhões arrecadados nos Estados Unidos, “Fragmentado” ('Split') – novo longa de M. Night Shyamalan - de “O Sexto Sentido” e “Corpo Fechado” – acaba de ganhar cartaz nacional. O pôster faz alusão aos fragmentos de Kevin, personagem interpretado por James McAvoy, que é portador de 23 personalidades distintas.

Cartaz oficial (Divulgação)

Parceria inédita entre Shyamalan e o produtor Jason Blum - de “Atividade Paranormal” -, o filme permaneceu por três semanas consecutivas em primeiro lugar nos Estados Unidos. A história retrata o dia a dia de Kevin (James McAvoy), um homem que sofre de múltiplas personalidades que se manifestam aleatoriamente.

Embora esse quadro clínico seja conhecido por Dra. Fletcher (Betty Buckley) - psicóloga de confiança de Kevin -, existe uma outra personalidade submersa que está programada para surgir e dominar todas as outras. Forçado a sequestrar três garotas, entre elas Casey (Anya Taylor-Joy, de “A Bruxa”), Kevin se vê em uma guerra pela sobrevivência contra as forças que existem dentro dele – e também contra as que estão ao seu redor.  A produção ainda traz Haley Lu Richardson, Brad William Henke, Kim Director, Sterling K. Brown e Sebastian Arcelus no elenco.                                          
Com distribuição da Universal Pictures, a estreia está marcada para 23/03/2017 nos cinemas brasileiros.

Fonte: Universal Pictures (via press-release)

0 comentários:

Cinema,

OSCAR 2017 | Saiba AGORA quem venceu a grande premiação do cinema!


Confira abaixo a lista dos filmes vencedores do Oscar 2017, que teve apresentação de Jimmy Kimmel em 26/02/2017 - os vencedores estão em negrito.

Melhor filme
"A chegada"
"Até o último homem"
"Estrelas Além do Tempo"
"Lion - Uma Jornada para Casa"
"Moonlight - Sob a Luz do Luar"
"Um Limite Entre Nós"
"A Qualquer Custo"
"La la land: Cantando estações"
"Manchester à Beira-Mar"

Melhor diretor
Denis Villeneuve ("A Chegada")
Mel Gibson ("Até o último homem")
Damien Chazelle ("La La Land: Cantando Estações")
Kenneth Lonergan ("Manchester à Beira-Mar")
Barry Jenkins ("Moonlight - Sob a Luz do Luar")

Melhor ator
Casey Affleck (“Manchester à Beira-Mar”)
Denzel Washington (“Um Limite Entre Nós”)
Ryan Gosling (“La La Land – Cantando estações”)
Andrew Garfield (“Até o último homem”)
Viggo Mortensen (“Capitão Fantástico")

Melhor atriz
Natalie Portman (“Jackie“)
Emma Stone (“La La Land - Cantando estações“)
Meryl Streep (“Florence: Quem é essa mulher?“)
Ruth Negga (“Loving“)
Isabelle Huppert (“Elle“)

Melhor ator coadjuvante
Mahershala Ali (“Moonlight - Sob a Luz do Luar“)
Jeff Bridges (“A Qualquer Custo”)
Lucas Hedges ("Manchester à Beira-Mar")
Dev Patel (“Lion - Uma Jornada para Casa”)
Michael Shannon ("Animais Noturnos")

Melhor atriz coadjuvante
Viola Davis ("Um Limite Entre Nós")
Naomie Haris ("Moonlight - Sob a Luz do Luar")
Nicole Kidman ("Lion - Uma Jornada para Casa")
Octavia Spencer ("Estrelas Além do Tempo")
Michelle Williams ("Manchester à Beira-Mar")

Melhor roteiro original
Taylor Sheridan ("A Qualquer Custo")
Damien Chazelle ("La La Land: Cantando Estações")
Yorgos Lanthimos e Efthimis Filippou ("O Lagosta")
Kenneth Lonergan ("Manchester à Beira-Mar")
Mike Mills ("20th Century Women")

Melhor roteiro adaptado
Eric Heisserer ("A Chegada")
August Wilson ("Um Limite Entre Nós")
Allison Schroeder e Theodore Melfi ("Estrelas Além do Tempo")
Luke Davis ("Lion - Uma Jornada para Casa")
Barry Jenkins e Tarell Alvin McCraney ("Moonlight - Sob a Luz do Luar")

Melhor fotografia
Bradford Young ("A Chegada")
Linus Sandgren ("La La Land: Cantando Estações")
Greig Fraser ("Lion - Uma Jornada para Casa")
James Laxton ("Moonlight - Sob a Luz do Luar")
Rodrigo Prieto ("Silêncio")

Melhor edição
Joe Walker ("A Chegada")
John Gilbert ("Até o último homem")
Jake Roberts ("A Qualquer Custo")
Tom Cross ("La La Land: Cantando Estações")
Nat Sanders e Joi McMillon ("Moonlight - Sob a Luz do Luar")

Melhor figurino
Joanna Johnston ("Aliados")
Colleen Atwood ("Animais Fantásticos e Onde Habitam")
Consolata Boyle ("Florence: Quem é Essa Mulher?")
Madeline Fontaine ("Jackie")
Mary Zophres ("La La Land: Cantando Estações")

Melhor maquiagem e penteado
Eva Von Bahr e Love Larson ("Um Homem Chamado Ove")
Joel Harlow e Richard Alonzo ("Star Trek: Sem Fronteiras")
Alessandro Bertolazzi, Giorgio Gregorini e Christopher Nelson ("Esquadrão Suicida")

Melhor design de produção
Patrice Vermette e Paul Hotte ("A Chegada")
Stuart Craig e Anna Pinnock ("Animais Fantásticos e Onde Habitam")
Jess Gonchor e Nancy Haigh ("Ave, César!")
David Wasco e Sandy Reynolds-Wasco ("La La Land: Cantando Estações")
Guy Hendrix Dyas  e Gene Serdena ("Passageiros")

Melhor efeito visual
Craig Hammack, Jason Snell, Jason Billington e Burt Dalton ("Horizonte Profundo: Desastre no Golfo")
Stephane Ceretti, Richard Bluff, Vincent Cirelli e Paul Corbould ("Doutor Estranho")
Robert Legato, Adam Valdez, Andrew R. Jones e Dan Lemmon ("Mogli: O Menino Lobo")
Steve Emerson, Oliver Jones, Brian McLean e Brad Schiff ("Kubo e as Cordas Mágicas")
John Knoll, Mohen Leo, Hal Hickel e Neil Corbould ("Rogue One: Uma História Star Wars")

Melhor edição de som
Sylvain Bellemare ("A Chegada")
Wylie Stateman e Renée Tondelli ("Horizonte Profundo: Desastre no Golfo")
Robert Mackenzie e Andy Wright ("Até o último homem")
Ai-Ling Lee e Mildred Iatrou Morgan ("La La Land: Cantando Estações")
Alan Robert Murray e Bub Asman ("Sully: O Herói do Rio Hudson")

Melhor mixagem de som
Bernard Gariépy Strobl e Claude La Haye ("A Chegada")
Kevin O'Connell, Andy Wright, Robert Mckenzie e Peter Grace ("Até o último homem")
Andy Nelson, Ai-Ling Lee e Steve A. Morrow ("La La Land: Cantando Estações")
David Parker, Christopher Scarabosio e Stuart Wilson ("Rogue One: Uma História Star Wars")
Greg P. Russell, Gary Summers, Jeffrey J. Haboush e Mac Ruth ("13 Horas: Os Soldados Secretos de Benghazi")

Melhor trilha sonora
Mica Levi ("Jackie")
Justin Hurwitz ("La La Land: Cantando Estações")
Dustin O'Halloran e Hauschka ("Lion - Uma Jornada para Casa")
Nicholas Britell ("Moonlight - Sob a Luz do Luar")
Thomas Newman ("Passageiros")

Melhor Canção Original
"Audition (The Fools Who Dream)" - de Justin Hurwitz, Benj Pasek e Justin Paul ("La La Land: Cantando Estações")
"Can't Stop the Feeling" - de Justin Timberlake, Max Martin e Karl Johan Schuster ("Trolls")
"City of Stars" - de Justin Hurwitz, Benj Pasek e Justin Paul ("La La Land: Cantando Estações")
"The Empty Chair" - de J. Ralph e Sting ("Jim: The James Foley Story")
"How Far I'll Go" - de Lin-Manuel Miranda ("Moana: Um Mar de Aventuras")

Melhor animação
"Kubo e as Cordas Mágicas"
"Moana: Um Mar de Aventuras"
"Minha Vida de Abobrinha"
"A Tartaruga Vermelha"
"Zootopia: Essa Cidade é o Bicho"

Melhor curta animado
"Blind Vaysha"
"Borrewed Time"
"Pear Cider and Cigarettes"
"Pearl"
"Piper - Descobrindo o Mundo"

Melhor filme estrangeiro
"Terra de Minas" - Dinamarca 
"Um Homem Chamado Ove" - Suécia 
"O Apartamento" - Irã 
"Tanna" - Austrália 
"Toni Erdmann" - Alemanha 

Melhor documentário de longa metragem
"Fogo no Mar"
"Eu Não Sou Seu Negro"
"Life, Animated"
"O.J.: Made in America"
"13ª Emenda"

Melhor documentário em curta-metragem
"Extremis"
"41 miles"
"Joe's violin"
"Watani: My homeland"
"Os Capacetes Brancos"

Melhor curta-metragem
"Ennemis Intérieurs"
"La femme et le TGV"
"Silent night"
"Sing"
"Timecode"

0 comentários:

Framboesa de Ouro 2017,

FRAMBOESA DE OURO 2017 | Confira os vencedores ao "Piores do Ano"


Saiu a lista com os vencedores da infame premiação de cinema "Framboesa de Ouro", que apresenta os indicados ao "Piores do Ano" no cinema.

Veja abaixo a lista completa com os vencedores, destacados em vermelho:

Pior Filme:
Zoolander 2
Batman vs Superman: A Origem da Justiça
Tirando o Atraso
Deuses do Egito
Hillary’s America: The Secret History of the Democratic Party
Independence Day: O Ressurgimento

Pior Ator:
Ben Affleck – Batman vs Superman: A Origem da Justiça
Robert De Niro – Tirando o Atraso
Gerald Butler – Deuses do Egito
Henry Cavill – Batman vs Superman: A Origem da Justiça
Dinesh D’Souza – Hillary’s America: The Secret History of the Democratic Party

Pior Atriz:
Megan Fox – As Tartarugas Ninja: Fora das Sombras
Tyler Perry – Boo! A Medea Halloween
Julia Roberts – O Maior Amor do Mundo
Becky Turner (Hillary Clinton) – Hillary’s America: The Secret History of the Democratic Party
Naomi Watts – A Série Divergente: Convergente
Shailene Woodley – A Série Divergente: Convergente

Pior Ator Coadjuvante:
Nicolas Cage – Snowden
Johnny Depp – Alice Através do Espelho
Will Ferrell – Zoolander 2
Jesse Eisenberg – Batman vs Superman: A Origem da Justiça
Jared Leto – Esquadrão Suicida
Owen Wilson – Zoolander 2

Pior Atriz Coadjuvante:
Julianne Hough – Tirando o Atraso
Kate Hudson – O Maior Amor do Mundo
Aubrey Plaza – Tirando o Atraso
Jane Seymour – Cinquenta Tons de Preto
Sela Ward – Independence Day: O Ressurgimento
Kristen Wiig – Zoolander 2

Pior Diretor:
Dinesh D’Souza e Bruce Schooley – Hillary’s America: The Secret History of the Democratic Party
Roland Emmerich – Independence Day: O Ressurgimento
Tyler Perry – Boo! A Medea Halloween
Alex Proyas – Deuses do Egito
Zack Snyder – Batman vs Superman: A Origem da Justiça
Ben Stiller – Zoolander 2

Pior Roteiro:
Batman vs Superman: A Origem da Justiça
Tirando o Atraso
Deuses do Egito
Hillary’s America: The Secret History of the Democratic Party
Independence Day: O Ressurgimento
Esquadrão Suicida

Pior Prequela, Remake, Sequência ou Spin-Off:
Zoolander 2
Batman vs Superman: A Origem da Justiça
Alice Através do Espelho
Cinquenta Tons de Preto
As Tartarugas Ninja: Fora das Sombras

Pior Dupla ou Elenco:
Ben Affleck & Herny Cavill – Batman vs Superman: A Origem da Justiça
Qualquer Deus do Egito ou Mortais – Deuses do Egito
Johnny Deep & Seu Visual Enjoado – Alice Através do Espelho
Todo o elenco ora respeitável – Beleza Oculta
Tyler Perry e a Peruca de Sempre – Boo! A Madea Halloween
Ben Stiller & Owen Wilson – Zoolander 2

0 comentários:

Crítica Cinema,

CRÍTICA [CINEMA] | "Toni Erdmann", por Kal J. Moon

Escrito e dirigido por Maren Ade, "Toni Erdmann" é o representante da Alemanha para o Oscar 2017 de Melhor Filme Estrangeiro. Estrelado por Sandra Huller e Peter Simonischek, explora uma conturbada relação de pai e filha mas fica a pergunta: por que mesmo que ESSE filme foi indicado a um prêmio tão importante?
Ines (Sandra Huller) e Toni Erdmann (Peter Simonischek) presos numa algema sem chave (Divulgação)


A estranha sensibilidade alemã
Ok. Quem assiste muito mais que somente os blockbusters da vida sabe que o cinema europeu tem um jeito bem diferente de contar suas histórias, que não se importa se o restante do mundo está captando a mensagem, que se esmera em ter uma direção de fotografia mais apurada que o normal, que experimentam muito mais do que os seguidores da cartilha de Syd Field e cia.

Mas "Toni Erdmann" extrapola essa ~"condição" ao transformar o que seria apenas mais um filme de reaproximação entre pai e filha quase numa 'tour-de-force' com momentos bizarros que coraria o próprio Fellini.

Na trama, um idoso pai brincalhão (Peter Simonischek) visita sua ocupada filha (Sandra Huller) por ocasião do aniversário dela. Eles não se dão muito bem por conta de sua agenda de negócios e diversos contratempos que ocorrem por conta dessa inesperada visita. Ele tenta consertar tudo com o auxílio de uma escrota peruca, uma dentadura que vive caindo e sua nova personalidade do atraente e bem sucedido Toni Erdmann.
Ines (Huller) conversa com seu pai Winfried (Simonischek) sobre a vida,
o universo e tudo o mais (Divulgação)

Certo, o plot nem é ruim se formos analisar. E como chamou a atenção do Oscar, já deve valer pelo menos a espiada. Mas aí é que reside aquele sentimento de estar assistindo uma piada interna, que deve ser realmente bem engraçada. Porém, se você não sabe o contexto, não tem como rir. O filme não se decide em ser drama ou comédia, entregando algumas cenas que beiram o constrangimento - principalmente as que envolvem nudez mas não tem muita relação com a trama em si, parecendo bem gratuitas até para os atores envolvidos.

"Toni Erdmann" ganhou notoriedade recentemente por ter chamado a atenção do ator Jack Nicholson, que adorou o filme e resolveu sair da aposentadoria para estrelar o remake dessa história ao lado de Kirsten Wiig no papel da filha ocupada. É de se imaginar que essa trama terá de ser transformada em algo mais palatável ao público de outros países. Senão, será um fracasso retumbante.

E é de se admirar - negativamente falando - que um filme demore arrastadas duas horas e quarenta minutos para explicar que pai e filha são bem parecidos mas que têm de trilhar caminhos completamente diferentes. Pode ser até bonito mas nem sei se haverá paciência suficiente para esperar o remake. Assista por sua conta e risco mas vá sem pressa alguma.


Kal J. Moon nunca foi a uma 'festa nua'. Em outros tempos, isso era chamado de 'suruba'...

0 comentários:

Carnivale,

FIM DE SEMANA | 10 séries para fazer maratona no Carnaval

Para quem é do “Bloco do Sofá de Casa” e prefere aproveitar o feriado de Carnaval em frente à telinha, a HBO preparou uma lista de séries para “maratonar” na plataforma HBO GO. A lista de produções originais nacionais e internacionais apresenta tramas e personagens marcantes e inesquecíveis.
Game of Thrones, Família Soprano e Band of Brothers
são algumas das séries para fazer maratona na HBO!
(Divulgação)

>>> Game of Thrones
Para os poucos que ainda não assistiram a Game of Thrones, o feriado é uma ótima oportunidade para conhecer a épica série da HBO. Baseada nos livros de George R.R. Martin, a trama conta a saga de sete nobres famílias em luta pelo controle da mítica terra de Westeros, dividida depois de uma guerra. Em um cenário que lembra a Europa medieval, reis, rainhas, cavaleiros e renegados usam todos os meios para conquistar o poder. A sétima temporada de GoT estreia neste ano. Prepare-se!

>>> Segura a Onda
Larry David - cocriador de 'Seinfeld' -, interpreta a si mesmo nesta hilariante série. Na primeira temporada, Larry é um sujeito pacato, que simplesmente não consegue fugir dos problemas. Com ele, uma simples ida ao cinema ou um anúncio no rádio do carro pode provocar efeitos devastadores e muito engraçados. Essa dica é para os que querem passar o Carnaval dando risada.

>>> The Leftovers
Para ficar em dia com a série enquanto aguardam a estreia da terceira e última temporada em abril, os foliões de POLTRONA podem assistir a todos os episódios das duas primeiras temporadas de The Leftovers. Criada por Damon Lindelof e Tom Perrotta, a série retrata como as pessoas comuns reagem a acontecimentos inexplicáveis, quando 140 milhões de pessoas desapareceram da Terra sem deixar rastros.

>>> Família Soprano
Com a primeira temporada lançada em 1999, a consagrada Família Soprano é um marco para as produções de TV e não pode ficar fora da lista dos fãs de séries. Tudo começa quando, por causa dos ataques de pânico, Tony Soprano procura ajuda psiquiátrica. As sessões com a Dra. Melfi revelam o passado do mafioso e a influência da mãe, Lívia. Composta por seis temporadas, a primeira delas explora também a complicada relação de Tony com a mulher, Carmela, e com os filhos, Meadow e A.J., que aos poucos vão descobrindo as reais atividades do pai. Afinal, agora é ele quem dá as ordens na “família”.

>>> Carnivàle
Uma história de mistério e fantasia, que se passa na década de 30, é outra dica para o feriado. Após a morte da mãe, o jovem Ben Hawkins se junta a um grupo circense e passa a conviver com personagens curiosos. Seus misteriosos poderes chamam a atenção da trupe, enquanto um pastor evangélico tem sonhos proféticos em outro canto do país. O conflito entre os dois protagonistas é o mote da primeira temporada. A série original HBO tem duas temporadas, com 12 episódios cada.

>>> The Night Of
As interpretações de John Turturro e Riz Ahmed já fazem valer essa dica! Dando um olhar contemporâneo ao crime, à presunção de culpabilidade e ao sistema de prisões urbanas, The Night Of investiga um brutal assassinato na cidade de Nova York, com fortes conotações culturais e políticas. A elogiada série de oito episódios foi escrita pelo vencedor do Oscar® Steven Zaillian e por Richard Price.

>>> Filhos do Carnaval
O Carnaval já foi tema de uma produção original da HBO! A série apresenta uma trama sobre a relação entre o jogo do bicho e o Carnaval no Rio de Janeiro. Com criação e direção de Cao Hamburguer, os 13 episódios retratam a história da família do poderoso Anésio Gebara - vivido por Jece Valadão -, desde o suicídio de seu primogênito até a disputa entre os outros irmãos por poder, dinheiro e espaço no coração do pai.

>>> The Jinx: The Life and Deaths of Robert Durst
Para quem gosta de investigação, esse é o documentário ideal. O bilionário Robert Durst tem seu nome ligado a três assassinatos, mas jamais foi condenado por esses crimes. Recluso, ele sempre evitou a mídia. Pelo menos, até agora, quando um documentário original HBO, dividido em seis partes, mostra os detalhes dessa história.

Encerrando o Carnaval de maratonas, a HBO lista duas minisséries que trazem a Segunda Guerra Mundial como tema e impressionam pela superprodução:

>>> Band of Brothers
Minissérie em 10 capítulos baseada em livro de Stephen Ambrose sobre a Segunda Grande Guerra, vencedora de diversos prêmios, incluindo Emmy® e Globo de Ouro®. Esta superprodução original da HBO retrata a trajetória de integrantes da Easy Company, grupo de elite da infantaria de paraquedistas dos Estados Unidos, desde o treinamento até os combates na histórica invasão da Europa.

>>> The Pacific
Steven Spielberg e Tom Hanks retomam a bem-sucedida parceria nesta minissérie de 10 episódios. A produção dá ênfase ao lado mais humano da guerra, mas não faltam imagens de grande impacto sobre a rotina de um grupo de fuzileiros navais americanos durante as batalhas contra os japoneses nas ilhas do Pacífico, em retaliação ao ataque a Pearl Harbor.

Fonte: HBO (via informe publicitário)

0 comentários:

Abhishek Bharate,

CRÍTICA [CINEMA] | "Lion - Uma Jornada para Casa", por Kal J. Moon

Com direção do estreante Garth Davis e estrelado por Dev Patel, Nicole Kidman, Sunny Pawar e grande elenco, "Lion - Uma Jornada para Casa" é uma adaptação cinematográfica do livro autobiográfico escrito por Saroo Brierley - já publicado no Brasil -, que conta uma impressionante história de adaptação, determinação e, sobretudo, de sobrevivência.
Guddu (Abhishek Bharate) e Saroo (Sunny Pawar) catavam moedas
em estações de trem para comprar leite (Divulgação)

A arte do querer
Com seis indicações ao Oscar 2017 (incluindo Melhor Filme), "Lion - Uma Jornada para Casa" é uma experiência bem diferente em termos de cinema contemporâneo. Os tempos são outros e contar histórias tem de acompanhar a atenção da audiência para que seja bem compreendida neste ~"admirável mundo novo".

O diretor Garth Davis - advindo da TV e dos documentários - faz sua estreia no cinema já sendo laureado com diversas indicações a prêmios. Com uma pegada própria dos iniciantes, sem muito tempo a perder com muita composição de cena ou ângulos ousados, Davis transforma o roteiro escrito por Luke Davies numa história a ser contada com a urgência que demonstra ter sido vivida.
Sue (Nicole Kidman) adotou Saroo (Pawar), que foi parar na Austrália (Divulgação)

Na trama, vemos que, aos cinco anos de idade, Saroo (Dev Patel) adormece no vagão de um trem que o leva por milhares de quilômetros ao longo da Índia, longe de sua casa e de sua família. Saroo aprende a sobreviver sozinho em Calcutá, até ser adotado por um casal australiano (Nicole Kidman e David Wenham). Vinte e cinco anos depois, munido apenas de lembranças, determinação e uma tecnologia revolucionária conhecida como Google Earth, Saroo viaja para sua terra natal para tentar encontrar sua família perdida.

E como se trata de uma história verídica, também temos momentos que, a princípio, talvez não deveriam ter sido mostrados em detrimento do desenvolvimento da trama ou que não tinham tanta importância assim para o público em geral. Não que isso possa, de alguma forma, estragar a experiência, principalmente se levarmos em conta o espantoso final, quando todas as peças que faltavam finalmente se encaixam e fazem sentido para explicar essa curiosa trama.
Já adulto, Saroo (Dev Patel) busca informações sobre suas raízes pela internet (Divulgação)

O elenco indiano é muito bom e afiado. Destaque óbvio para Sunny Pawar, que interpreta o pequeno Saroo - até porque boa parte da trama se baseia no impacto de suas desventuras pelas ruas de Calcutá.  Em determinadas cenas, o espectador se pergunta se não se trata de um documentário - e essa pode muito bem ter sido a proposta de Davis... Dev Patel está, pela primeira vez, convencendo em cena, mesmo que sua personagem - Saroo adulto - não seja tão bem desenvolvido a ponto de criar empatia como quando era criança. Nicole Kidman entrega uma personagem crível mas nada que justifique a indicação ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante. O mesmo vale para Patel.

"Lion - Uma Jornada para Casa" funciona, entretém e ainda reserva espaço à principal reflexão: quantas pessoas no mundo mendigam porque se perderam de suas casas? Feito como um alerta à sociedade, que olha cada vez mais para seu próprio umbigo.


Kal J. Moon já se perdeu uma vez. Não fez a menor falta...

0 comentários:

Brad Goreski,

OSCAR 2017 | Tapete vermelho será transmitido pelo canal E!

No dia 26/02/2017, a partir das 15h30, o canal pago E! te convida a viver de perto todo o glamour de Hollywood na cobertura exclusiva da 89ª edição do Oscar, que será realizada no Dolby Theater e contará pela primeira vez com a apresentação do comediante Jimmy Kimmel.

A cobertura começa com a Contagem Regressiva para o tapete vermelho, seguida pela aguardada transmissão do “Ao Vivo do Tapete Vermelho”, às 19h30, com Giuliana Rancic e Ryan Seacrest comandando as entrevistas com as celebridades, e se encerra com o After Party, às 1h30 de 27/02/2017, que conta com entrevistas exclusivas com os grandes vencedores da noite.

Acompanhe as novidades ao vivo do Oscar nas redes sociais do E! Online Brasil (@eonlinebrasil) e se junte à conversando usando a hashtag #TapeteVermelhoE!.

Além disso, em 28/02/2017, às 21h, o canal E! apresentará a edição especial de “Fashion Police” dedicada à glamorosa noite do Oscar, na qual Melissa Rivers, Giuliana Rancic, Brad Goreski, Margaret Cho e Kris Jenner repassarão em detalhes os acertos e os erros da noite em matéria de moda.

Fonte: E! (via informe publicitário)

0 comentários:

20th Century Fox,

CRÍTICA [CINEMA] | "Logan", por Kal J. Moon

Dirigido por James Mangold, "Logan" marca a despedida do ator Hugh Jackman a Wolverine, anti-herói mutante baseado nos quadrinhos publicados pela Marvel. Ao lado de Patrick Stewart - novamente como o Professor Charles Xavier - e com a valiosa adição da novata Dafne Keen, este filme mostra um aguardado adeus e um recomeço.
Logan (Hugh Jackman) está lá e de volta outra vez... (Divulgação)

Uma última vez
Sexta-feira de Carnaval. Enquanto digito estas palavras, sinto-me cansado mas de alma lavada. Hugh Jackman encarna, pela nona vez (!), o personagem que não só lhe deu fama mas status de super-astro do cinema. Sempre quis fazer um filme solo para cativar os fãs que o acompanharam desde '"X-Men - O Filme" (do distante ano de 2000). Um filme que fosse honesto com toda a trajetória da estigma de justiça envergada pelo personagem nas histórias em quadrinhos escritas por diversas mãos mas nunca respeitada na tela do cinema.

Os filmes fizeram sucesso? Sim, claro. Porém estavam bem longe da essência de uma criatura rica em sentimentos e que poderia render melhores histórias em nome de... de quê mesmo?! Não custa perguntar: por que demorou tanto para vermos o verdadeiro Wolverine numa tela de cinema? O público não estaria preparado para ver sua real face numa história que o mostrasse como ele deveria ser encarnado? Haveria a necessidade de amadurecimento tanto do personagem quanto do ator e, talvez, do público e do próprio cinema repleto de super-seres?
Laura (Dafne Keen) esconde um segredo que não é nada legal de se saber (Divulgação)

A resposta não deve ser simples. Mas pensar que um filme com um certo mercenário tagarela - *cof DEADPOOL cof* -, cheio de palavrão, violência desmedida e censura para maiores de 18 anos ganhando o topo das bilheterias mundiais pode ter, de alguma forma, ajudado a mostrar que um filme do mutante mais querido de todos poderia seguir uma linha mais séria, com altos níveis de violência, linguagem chula, porém com uma história que pudesse cativar tanto o fã dos filmes quanto aqueles que torciam por uma adaptação mais próxima daquilo que se lia nas histórias em quadrinhos - com um lembrete de que nem todas eram destinadas às crianças.

A trama de "Logan" é bem simples e direta: no nem tão distante ano de 2029, nosso anti-herói trabalha como motorista de limusines para juntar um bom dinheiro para fugir com um quase demente Professor Charles Xavier (Patrick Stewart) e o mutante Caliban (Stephan Merchant). Xavier diz que existe uma mutante chamada Laura (a estreante Dafne Keen) que precisa de sua ajuda. Por conta de uma encrenca não-prevista por Logan, acaba encontrando Laura e, principalmente, quem estava caçando-a. Laura precisa chegar a um lugar chamado Éden, onde estará salva ao lado de outros iguais a ela. Mas a grande questão é: quem é ela e por que estão perseguindo-a? Contar mais do que isso seria estragar boa parte de sua diversão, ok?
Professor Charles Xavier (Patrick Stewart) garante momentos de humor e drama (Divulgação)

Com um texto inspirado nos grandes road-movies, hiper-violento - desde o primeiro minuto! - porém com muito bom humor - e isso não é sinônimo de piadas a cada cinco minutos -, "Logan" acerta no tom, na caracterização de um futuro que, se não é pós-apocalíptico, chega bem próximo, mas traz a mensagem de esperança do legado de Charles Xavier. Afinal, todos querem, um dia, chegar ao Éden, não é mesmo?

Destaque óbvio às atuações de Hugh Jackman e Patrick Stewart. Ambos entregam uma evolução de suas personagens que não passam por soluções fáceis ou composições exageradas. A novata Dafne Keen traz uma mistura estranha e cativante como a mutante Laura, que assusta mas é terna como qualquer criança de sua idade. Mas quem rouba todas as cenas em que aparece é justamente Stephan Merchant como Caliban. Egresso de comédias como "The Office", "The Big Bang Theory" e o filme "Passe Livre", está quase irreconhecível sob pesada maquiagem, gestual condizente com o físico frágil de sua personagem mas sem perder parte de seu bom humor quando necessário e adicionando o bom e velho drama quando solicitado. Uma grata surpresa.

Mas o destaque maior vai à precisa direção de James Mangold. Com uma visão bem precisa do que gostaria de ver em cena, adaptou o desejo de Hugh Jackman em ver uma história mais ~"crível" de sua personagem com doses equilibradas de drama, belas cenas de ação e humor na medida certa.
Caliban (Stephan Merchant): De vilão à grande aliado... (Divulgação)

A direção de fotografia de John Mathieson (do recente "Peter Pan") não reinventa a roda. Poderia utilizar ângulos ousados para contar essa história, é verdade, mas talvez tenha sido essa mesma a intenção, vai saber... E se a trama escrita por Scott Frank, Michael Green e o próprio Mangold não tivesse pego um ~"desvio" - uma longa cena com participação do sumido Eriq La Salle (de "Um Príncipe em Nova York" e do seriado "ER - Plantão Médico") -, "Logan" seria um filme perfeito, Mas mesmo os grandes clássicos tem lá seus erros, não é mesmo?

"Logan" utiliza todo seu potencial para contar esse crepúsculo de um herói relutante e se transforma num necessário encerramento de uma franquia e - por que não? - início de outra. É preciso apreciar corretamente pois o canto do cisne é sempre mais belo perto de seu desvanecer. Portanto, pare de ler isso e vá AGORA assistir esse filme no cinema. Vale cada centavo do caro ingresso...


Kal J. Moon sabe que, quando estiver mais velho, assistirá "Logan" num fim de domingo à noite na TV aberta - se isso ainda existir até lá...

0 comentários:

Angus T. Jones,

FIM DE SEMANA | Warner fará maratona de séries durante o Carnaval

Durante os dias de folia no Brasil, divirta-se com as séries de sucesso do canal pago Warner, que serão exibidas em maratonas especiais. Garanta um lugar no sofá para acompanhar divertidas histórias! Anote os horários!


>>>Sábado, 25/02/2017, a partir das 12h30*
Maratona Two and a Half Men – melhores episódios
O trio de atores Charlie Sheen, Joh Cryer e Angus T. Jones estão nessa seleção com os 24 episódios mais marcantes da série ao longo de oito temporadas.

>>>Domingo, 26/02/2017, a partir das 12h30*
Maratona The Big Bang Theory – Segunda temporada
Em 2017, a série nerd mais amada da TV completa 10 anos. E para comemorar, a Warner vai exibir uma de suas temporadas completas todo último domingo do mês. Em fevereiro, acompanhe as desventuras da segunda temporada completa, com 23 episódios.

>>>Segunda-feira, 27/02/2017, a partir das 14h10*
Maratona Máquina Mortíferado episódio 5 ao 14
Martin Riggs, um ex-policial do Texas, muda-se para Los Angeles para começar uma vida nova após a morte da mulher e do filho. Na nova cidade, ele forma parceria com o detetive de polícia Roger Murtaugh, que, por sofrido um ataque cardíaco, deve evitar qualquer estresse.

>>>Terça-feira, 28/02/2017, a partir das 14h10*
Maratona Supernatural – os 10 primeiros episódios da 12ª temporada
Após enfrentar a Escuridão, o irmão de Deus, os irmãos Sam e Dean estão de volta e devem combater outra grande força do mal. Mas, dessa vez, eles terão a companhia da mãe, Mary Winchester, que voltou do mundo dos mortos, e de um Castiel que ainda sobre com os últimos acontecimentos. A temporada ainda reserva a volta de Lúcifer, que está muito diferente.

>>> *Horário de Brasília. Programação sujeita a alterações sem aviso prévio.

Fonte: Warner Channel (via informe publicitário)

0 comentários:

A Cabana,

A CABANA | Atriz brasileira tem papel de destaque na esperada adaptação do livro!

Alice Braga (foto) integra o elenco de “A Cabana” ('The Shack'), produção baseada no best-seller homônimo do escritor canadense William P. Young. No filme, a brasileira vive a Sabedoria, personagem que contribui para as mudanças experimentadas pelo protagonista Mack Phillips e oferece reencontros inesperados a Mack. Em cena recém-revelada, a atriz está em um trono quando convida Mack para participar do julgamento final. Ele, por sua vez, desconfia se não está morto.

>>> Clique AQUI para assistir!
A atriz brasileira Alice Braga dá vida à Sabedoria em "A Cabana" (Divulgação)

Dirigido por Stuart Hazeldine, o filme apresenta a história de Mack Phillips (Sam Worthington), um homem que viveu um drama pessoal com o desaparecimento de sua filha Missy, de seis anos. Enquanto o ferido Mack ainda se vê sem motivos para viver, diante da fatalidade que abalou sua família, ele recebe uma misteriosa carta divina, que o convida a voltar para a cabana onde sua filha foi encontrada morta. Nesta missão, Phillips se encontra com Papa (Octavia Spencer), e é surpreendido por revelações e ensinamentos, que irão ajudá-lo a superar esse trauma. No elenco, ainda temos Radha Mitchell e Graham Greene.     

"A Cabana" tem distribuição da Paris Filmes e tem estreia agendada para 06/04/2017. 

Fonte: Paris Filmes (via press-release)

1 comentários:

August Wilson,

CRÍTICA [CINEMA] | "Um Limite Entre Nós", por Kal J. Moon

Dirigido por Denzel Washington, protagonizado por ele mesmo ao lado de Viola Davis e grande elenco, "Um Limite Entre Nós" é um drama que divaga sobre um dos maiores dilemas do ser humano: vale tudo para ser feliz?
Troy (Denzel Washington) e Rose (Viola Davis) formam um casal convencional (Divulgação)

A vida dos outros...
Confesso que assisti esse filme duas vezes. Na primeira, detestei. Baseado na premiada peça escrita por August Wilson - e que é a sexta parte do "Ciclo de Pittsburgh", um conjunto de dez peças teatrais que fala dos problemas dos afro-americanos em diversos períodos de tempo (e que TODO o elenco principal do filme já havia encenado ao longo de mais de 140 apresentações) -, "Um Limite Entre Nós" é praticamente a transcrição exata da peça para o cinema.

Não entenda mal: nada tenho contra adaptações de peças teatrais para as telonas. Meu problema é que teatro NÃO É cinema. São linguagens irmãs mas completamente diferentes. E assistir "Um Limite Entre Nós" sem o filtro necessário, com toda sua verborragia, toda sua eloquência - mesmo que todos os personagens sejam pessoas de pouca instrução -, todas as marcações estritamente formais fizeram minha primeira experiência ficar muito abaixo de qualquer expectativa em relação a um filme com dois dos atores afro-americanos mais queridos de todos os tempos. E ainda tem a questão de tentar entender sobre o que é essa história...
Cory (Jovan Adepo) discute com seu pai (Washington): 'Que lei diz que tenho de gostar de você?' (Divulgação)

Na trama, por volta dos anos 1950, o lixeiro Troy (Denzel Washington) vive no subúrbio de Pittsburgh com sua esposa Rose (Viola Davis) e seu filho adolescente Cory (Jovan Adepo). Ganha pouco para sustentar a família, o irmão doente Gabriel (Mykelti Williamson) e até mesmo Lyons (Russell Hornsby), seu filho mais velho, que é músico e sempre lhe pede algum dinheiro emprestado. Divide as mágoas com o amigo Bono (Stephen Henderson) mas, apesar de rude, sem instrução e bronco por natureza, procura viver a vida da forma mais correta possível - uma vez que, quando jovem, burlou a lei até chegar o dia em que quase morreu. Até que uma descoberta muda o rumo dessa família - essa seria a trama básica, sem contar nenhum spoiler, ok?.

Daí, veio a segunda experiência. Examinando outras nuances e todos os filtros necessários para buscar a compreensão da trama, chego à conclusão de que se trata de um retrato bem fiel da vida dos outros. É como se o espectador ficasse ouvindo através das paredes durante cada conversa, cada discussão, cada risada... Há quem curta uma boa fofoca - cada um na sua. Mas mesmo que um texto embasado puramente em diálogos possa ser atraente para que seja transformado em filme, fazê-lo de forma puramente teatral pode afastar boa parte do público - até o figurino lembra algo que foi feito para teatro, com tudo muito limpo e organizado em cada local que aparece.
Troy (Washington) ajuda seu irmão Gabriel (Mykelti Williamson) com aprovação de Rose (Davis)
(Divulgação)

Ok. Pode ser que grande parte do público não teria acesso a esse texto sem um filme estrelado por Denzel Washington e Viola Davis - que dividem uma química em cena digna dos grandes astros que são (ela um pouco acima que ele) - e que esse tipo de abordagem tenha sido uma escolha feita pela própria ideia da produção em si. Se deu certo no teatro, vai dar certo no cinema, né? Bem...

Além do óbvio destaque às atuações de Washington e Davis, vale mencionar o trabalho de Mykelti Williamson como Gabriel, o irmão doente de Troy. Só quem já conheceu pessoas nesse estado difícil de lidar vai perceber o esforço que o ator desempenhou para compor sua personagem com perfeição.

"Um Limite Entre Nós" está um degrau acima para quem procura entretenimento de qualidade. É um filme muito difícil de se assistir, que levanta diversos debates ainda bem relevantes - mais de 50 anos depois - mas cujo formato talvez não seja o mais adequado para grande parte do público. Dê uma chance e tire suas próprias conclusões, ok?


Kal J. Moon ficou com raiva de Denzel e com pena de Ms. Davis. Não se faz o que ele fez...

0 comentários:

Canal Space,

MR. ROBOT | Seriado terá maratona durante o Carnaval

O canal pago Space aproveita o fim de semana de Carnaval no Brasil para tirar o atraso de quem não assistiu ou quer rever as emoções de Mr. Robot


A premiada série, vencedora do Golden Globe Awards, conta a história de Elliot (Rami Malek, foto), um programador com distúrbios psíquicos que trabalha como engenheiro de segurança virtual durante o dia e como hacker vigilante durante a noite. Ele se vê numa encruzilhada quando o líder de um misterioso grupo de hackers o recruta para destruir a firma que ele é pago para proteger. Então, uma revolução começa com um clique na tecla enter e uma advertência: todos somos vulneráveis.

Anote em sua agenda:

  • Maratona Mr. Robot - 1ª temporada (10 episódios)
  • Sábado, 25/02/2017, a partir das 14h*
  • Maratona Mr. Robot - 2ª temporada (12 episódios)
  • Domingo, 26/02/2017, a partir das 14h*


>>> *Horário de Brasília. Programação sujeita a alterações sem aviso prévio.

0 comentários:

Ale McHaddo,

BUGIGANGUE NO ESPAÇO | Game baseado na animação brasileira já tá no ar!

Para quem gostou dos simpáticos alienígenas da animação brasileira “Bugigangue no Espaço”, a produtora 44 Toons! preparou uma surpresa: o jogo "BugiGangue: Planetóides". No game, os jogadores devem controlar os Invas em um percurso pelo universo, em que pulam de planeta em planeta sempre desviando dos obstáculos.

Trata-se de um jogo infinito de contagem de pontuação, o que significa que sempre é possível quebrar os próprios recordes. Por enquanto, o game está disponível em Android clicando AQUI. Até o fim da semana, também estará no iOS.

Voltado ao público infantil, o longa-metragem distribuído pela Imagem Filmes estreia em 23/02/2017, em cerca de 400 salas, a maior abertura de uma animação nacional. Além disso, será o primeiro filme brasileiro a ser exibido com tecnologia D-BOX da Rede Cinemark, levando uma experiência mais imersiva para o espectador.

Foram cinco anos de dedicação a esse filme. Estou muito contente de poder mostrar ao público um trabalho realizado com uma equipe tão competente e dedicada”, comenta Ale McHaddo. O diretor já havia explorado o universo do filme no curta “Bugigangue – Controle Remoto” lançado em 2010 e é considerada a primeira produção nacional em 3D.

Com vozes de Danilo Gentili, Maísa Silva e Rogerio Morgado, a animação narra as aventuras de sete amigos que se unem a um grupo de alienígenas para salvar o mundo do vilão Gana Golber. Ao longo da trama, os personagens encontram figuras icônicas da cultura pop, como Yoda, Mario, Seu Madruga, ET de Varginha e Chupa Cabra.

A história é embalada pela Orquestra Sinfônica de Budapeste, responsável por gravar as músicas compostas por Alexandre Guerra. O som grandioso é inspirado em clássicos como “Star Wars” e também mescla toques de humor com as harmonias do theremin e da viola caipira. A trilha sonora está disponível para streaming e download nas principais plataformas digitais (iTunes, Deezer, Spotify, Rdio, entre outras) desde o dia 18/02/2017.

Fonte: Imagem Filmes (via informe publicitário)

0 comentários:

Alexandra Richter,

AMOR.COM | Filme brasileiro debate romance em tempos de internet

Se para as pessoas em geral separar a vida profissional da pessoal muitas vezes é complicado, para blogueiros a questão poder ficar ainda mais problemática...

Na trama do filme “Amor.com” - dirigido por Anita Barbosa -, Katrina (Isis Valverde) e Fernando (Gil Coelho) são dois jovens que encontraram sucesso na internet. Ela é uma das blogueiras de moda e tendências mais famosas do país e ele é um vlogueiro à frente de um canal sobre videogames ainda desconhecido, mas já com uma boa base de seguidores. Os dois se conhecem quando Fernando salva Katrina de uma situação complicada que pode destruir sua reputação. A partir daí, os dois se apaixonam e começam um relacionamento e têm que aprender a lidar com a vida que existe fora do mundo virtual, mesmo com o romance virando “febre” na rede.
Katrina (Isis Valverde) e Fernando (Gil Coelho) vivem romance via internet (Divulgação)

O longa traz uma história de amor contemporânea, com personagens que transitam pelo universo da moda, da tecnologia e da internet, em ambientes tão próximos e ao mesmo tempo tão distantes.

No elenco também estão João Cortês, Joaquim Lopes, Alexandra Richter, Marcos Mion, Carol Portes, Felipe Roque, César Cardadeiro e Aline Guimarães. O roteiro é de Bruno Garotti, Leandro Matos e Saulo Aride. 

A nova produção da Total Filmes tem coprodução da Miravista / Disney e distribuição da H2O Films. A estreia está prevista para 01/06/2017 nos cinemas brasileiros.

Fonte: Total Filmes (via informe publicitário)

0 comentários:

Cartazes,

FOME DE PODER | Filme sobre rede fast-food ganha trailer e cartaz!

A distribuidora Diamond Films divulgou o pôster brasileiro de “Fome de Poder” ('The Founder'), dirigido por John Lee Hancock (de “Branca de Neve e o Caçador”). Nele, o destaque é para Michael Keaton, protagonista do filme.

>>> Clique AQUI para assistir o trailer!

Michael Keaton vive Ray Kroc em "Fome de Poder" (Divulgação)
O drama conta a história real de Ray Kroc, um vendedor de Illinois, que conhece Mac e Dick McDonald quando os dois gerenciavam uma hamburgueria na Califórnia, nos anos 1950. Impressionado com a rapidez do sistema de produção que os irmãos implementaram no restaurante e com a multidão de clientes que eles atraíam, Kroc imediatamente viu no negócio um grande potencial para franquias. Por meio de artifícios questionáveis, tirou a empresa das mãos dos irmãos McDonald e criou um império bilionário, que se tornou uma das mais conhecidas redes de fast-food do mundo.

Também fazem parte do elenco nomes de peso como Patrick Wilson, Laura Dern, Linda Cardellini, Nick Offerman e John Carrol Lynch. "Fome de Poder" estreia em 09/03/2017 nos cinemas brasileiros.

Fonte: Diamond Films (via press-release)

0 comentários:

A Lei da Noite,

CRÍTICA [CINEMA] | "A Lei da Noite", por Kal J. Moon

Escrito, produzido, dirigido e protagonizado por Ben Affleck - ao lado de um elenco estelar com nomes como Zoe Saldana, Sienna Miller, Elle Fanning, Brendan Gleeson, Chris Messina, Chris Cooper - além de participações especiais de Anthony Michael Hall e Clark Gregg - "A Lei da Noite" ('Live by Night') traz de volta todo o charme do submundo da máfia mas num cenário bem diferente: Flórida!
A bela Graciela (Zoe Saldana) e Joe (Ben Affleck) se conhecem melhor (Divulgação)

Intolerância, preconceito e dois dedos de rum
Foi com grande reserva que este nada humilde escriba foi à cabine de imprensa para assistir "A Lei da Noite". O filme teve uma péssima recepção perante à crítica norte-americana, com pesadas reclamações quanto às atuações e à ~"complicada" trama. Bobagem. Um grande alívio veio à minha alma cinéfila quando terminou a exibição pois o filme não tem nada de complicado e muito menos de malfeito.

Ben Affleck pode realmente ter sofrido algum ataque de rejeição por conta de estarmos em novos tempos, onde muitos espectadores não suportam filmes com mais de duas horas de duração, sem piadas a cada cinco minutos e que se passe numa época onde tudo se resolvia no cano do revólver ou na ponta da faca. Talvez se o filme fosse protagonizado por Leonardo DiCaprio - que é um dos produtores -, a recepção poderia ser bem diferente.
Chefe Figgis (Chris Cooper) e Joe (Affleck): estratégia de xadrez

Na trama, Joe Coughlin (Ben Affleck), veterano da Primeira Guerra Mundial, é um autoproclamado e convicto fora da lei, apesar de ser o filho do Superintendente da Polícia de Boston. Mas Joe não é uma pessoa tão ruim a ponto de se bandear pro lado da máfia. Porém, após uma traição, acaba sendo pego por um mafioso e quer vingança. Mas, para isso, terá de ajudar a administrar o negócio de bebidas de outro mafioso na ensolarada Flórida, onde encontrará mais do que rostos bronzeados, miscigenação e pessoas sorridentes. E, mesmo tendo a vingança um gosto mais doce que o melaço presente em cada gota do rum ilegal contrabandeado por ele, Joe vai aprender que tudo tem um preço.

O roteiro de Affleck - baseado no premiado livro "Os Filhos da Noite", de Dennis Lehane (já publicado no Brasil) - marca a segunda colaboração com Lehane, após o sucesso do elogiado “Medo da Verdade” - Lehane é também autor do livro "Sobre Meninos e Lobos", igualmente adaptado, com sucesso, para o cinema. E acerta em cada detalhe.

O tom do filme passa da vingança pura e simples para uma crescente progressão de amadurecimento de um personagem que poderia muito bem ser considerado um herói. Mas Joe pode ser tudo menos alguém admirável. Suas ações falam por si. Cada vez que precisa falar e dar ordens é com seu intuito maior em mente.

Alguns espectadores podem reclamar do texto com falas afiadas e com lições de moral em muitos momentos - como nos conselhos do pai de Joe. Todos os filmes de máfia tem esse tipo de abordagem - "o crime não compensa!" - e isso não é defeito, é referência.

E como diretor, Affleck não decepciona mais uma vez. A exemplo do que fez em "Argo", inteligentemente escolheu uma história onde, apesar de protagonista, a situação vivida é maior do que desejos de cada personagem. Destaque para Elle Fanning (se redimindo do recente "Demônio de Neon") no papel de uma fanática religiosa e Matthew Maher como um irritante protegido da lei- curiosamente, o elenco foi escolhido a dedo, com atores e atrizes com rostos e biotipos que parecem saídos dos anos 1920 e 1930!

Todos os detalhes técnicos foram observados por Affleck para que fossem os mais bem executados da atualidade, tornando "A Lei da Noite" um filme lindo de se ver. Figurino (de Jacqueline West, que já havia trabalhado em "Argo"), esperta direção de fotografia (de Robert Richardson, responsável pelo cultuado "Os Oito Odiados"), maquiagem - reparem no que fizeram ao personagem de Anthony Michael Hall! A única "falha" talvez seja a trilha sonora de Harry Gregson-Williams, sem momentos marcantes e completamente esquecível.
A fanática religiosa Loretta (Elle Fanning) sendo interpelada por Joe (Affleck): embate feroz (Divulgação)
E como não gostar de uma história que mostra que a intolerância religiosa dos EUA estavam de braços dados com mafiosos para defender uma ideologia com base frágil - e que acabou vitimando seus baluartes?

Este é um filme injustiçado por tocar em feridas que estão abertas até hoje - principalmente quando fala sobre imigração. Affleck sabia com quem tava mexendo. Mas, como seu personagem, pode ter ido longe demais. Entretanto, continuará tendo o apreço de quem curte cinema feito com esmero. Resumindo: "A Lei da Noite" não é um filme para qualquer um. Affleck não é qualquer um. Escolha sabiamente de que lado quer ficar...


Kal J. Moon conhece um cara que conhece um cara...

0 comentários:

Alexander Ludwig,

CCXP TOUR NORDESTE | Conheça Alexander Ludwig, ator de Vikings, no Meet & Greet da CCXP


Björn estará presente nos dias 14, 15 e 16 de abril durante a primeira edição da CCXP Tour Nordeste, que acontece no Centro de Convenções de Pernambuco

CCXP – Comic Con Experience (www.ccxp.com.br), maior evento de cultura pop da América Latina e um dos maiores do mundo, anuncia o início das vendas de Fotos & Autógrafos com o artista Alexander Ludwig na primeira edição da CCXP Tour Nordeste, que acontece de 13 a 16 de abril no Centro de Convenções de Pernambuco.

Os ingressos para Fotos, Autógrafos e Meet & Greet com o ator canadense nos dias 14, 15 e 16 de abril já estão à venda neste link. Confira os valores:

VALORES*
AutógrafoR$ 120
FotoR$ 250
Meet & GreetR$ 350

Ludwig ganhou notoriedade por representar Björn Ironside no elenco principal de Vikings, série de drama histórico do canal History. O enredo foi inspirado nas histórias de Ragnar Lothbrok, um dos principais heróis nórdicos. No desenrolar da trama, Ragnar conta com seus guerreiros – entre eles Björn – para idealizar incursões pioneiras na Inglaterra e França. Renovada para sua quinta temporada, a produção teve uma recepção com critícas favoráveis e coleciona fãs pelo mundo todo. Antes do seriado, Alexander marcou presença em alguns filmes durante a infância, como Air Bud – World PupMXP: Most Xtreme Primate e Scary Godmother – The Revenge of Jimmy e, mais recentemente, em When the Game Stands TallFinal Girl e Blackway.

CCXP – Comic Con Experience (www.ccxp.com.br) é o maior evento de cultura pop da América Latina e um dos maiores do mundo. A CCXP Tour Nordeste acontece de 13 a 16 de abril no Centro de Convenções de Pernambuco e espera receber de 60 a 80 mil visitantes. Os ingressos estão à venda pelo site a partir de R$ 79,99 (meia-entrada), que podem ser parcelados em até 06 vezes sem juros no cartão de crédito ou à vista por boleto. 

Para saber mais, acesse:
ccxptour.com.br
facebook.com/CCXPTour
twitter.com/CCXPTour 
instagram.com/ccxptour

* É importante destacar que os interessados no M&G devem possuir a credencial da CCXP Tour Nordeste no dia correspondente. Apenas a compra do ticket do encontro não dá acesso ao evento.

Press-release: CCXP (via e-mail).

0 comentários: