Allison Janney,

EU, TONYA | Filme com Margot Robbie ganha novo cartaz

Com estreia no Brasil ​em 15/02/2018, "Eu, Tonya" está indicado ​ao Oscar 2018 ​de Melhor Atriz (Margot Robbie, foto), Melhor Atriz Coadjuvante (Allison Janney) e Melhor Edição​. Os vencedores serão anunciados em 04/03/2018. Confira o novo cartaz:
Cartaz oficial (Divulgação)

Baseada em fatos, o filme conta a história real da patinadora artística Tonya Harding (Robbie), atleta americana que foi uma das maiores patinadoras no gelo do mundo, mas ficou mais conhecida por ser acusada de planejar um ataque contra sua principal rival durante as Olimpíadas de Inverno de 1994, Nancy Kerrigan. "Eu, Tonya" é baseado em entrevistas sem ironia, muito contraditórias e totalmente reais com Tonya Harding e Jeff Gillooly - no filme, interpretado por Sebastian Stan.

O diretor Craig Gillespie explica como chegou ao filme: "Eu recebi o roteiro sabendo que Margot Robbie estava dentro. A combinação de Tonya Harding e Margot Robbie era uma ideia imediatamente animadora para mim. Depois de ler o roteiro de Steven Rogers, fui conquistado. A história é magnificamente contada, com um maravilhoso equilíbrio entre emoção e humor, e uma estrutura completamente fora do convencional que era tanto intimidante quanto empolgante. Eu não poderia estar mais empolgado. Tinha um tom bem difícil, mas era incrivelmente perfeita para Margot. A dança entre humor, vulnerabilidade e força que a vi fazer anteriormente era um atributo que eu achei que personificaria o mundo de Tonya perfeitamente".

Fonte: California Filmes (via press-release)

0 comentários:

Editora Pixel,

MANGÁ | 'Monstress' finalmente publicado no Brasil

Sucesso da Image Comics e vencedora do prêmio Hugo para Melhor Graphic Novel, "Monstress" (foto) finalmente chega às livrarias brasileiras pela Editora Pixel. O mangá, que foi um dos mais vendidos em 2016, recebeu várias indicações ao prêmio Eisner e foi escrita pela americana Marjorie Liu e ilustrada pela artista japonesa Sana Takeda. Consagrada várias vezes nas listas de mais vendidos do jornal The New York Times, Liu já fez diversas parcerias com a Marvel escrevendo histórias da Viúva Negra e outras séries relacionadas com os X-Men. Takeda também trabalhou com a Marvel ilustrando diversas histórias.
Capa oficial (Divulgação)

"Monstress" traz um ambiente negro e adulto - voltado para o steampunk -, e é uma junção de fantasia e ficção cientifica. Marjorie Liu narra a história de Maika Halfwolf, uma adolescente arcânica que sobreviveu a uma guerra cataclísmica entre humanos e a arcânicos – uma raça híbrida que descende dos Anciãos. Depois da guerra, a protagonista é escravizada por bruxas inimigas que suspeitam dos seus grandes poderes. Na luta pela sobrevivência, ela começa a desvendar o seu misterioso passado e, durante o processo, descobre que tem uma ligação psíquica com uma poderosa criatura de outro mundo.

A história ocorre em 1900 numa Ásia alternativa e matriarcal, explorando problemas sociais e políticos da vida real de uma maneira inovadora. A concisão e origem do universo em que a trama decorre é um dos pontos mais elogiados do mangá, que promete ser um sucesso entre os amantes brasileiros de quadrinhos em geral.

Fonte: Pixel (via informe publicitário)

0 comentários:

Crackle,

OUTSIDERS | Segunda temporada já tem data de estreia em plataforma digital

Sucesso de audiência nos Estados Unidos, a segunda temporada do seriado "Outsiders" chega ao Crackle - serviço on-demand da Sony Pictures Television Networks - com os dois primeiros episódios disponíveis no dia 02/02/2018 (e um novo chegando toda sexta-feira). A série é estrelada por Joe Anderson, David Morse, Ryan Hurst, Thomas Wright, Gillian Alexy, Kyle Gallner e Christina Jackson.
Foto oficial (Divulgação)

A história mostra como um grupo de pessoas se isolaram da sociedade para dar início a uma comunidade no topo de uma montanha. Após a suposta morte do líder Big Foster, ao fim do primeiro ano, a nova temporada mostra a ascensão sob pressão de G'Win à liderança, enquanto ela e todo o Clã Farrell encaram as piores ameaças já enfrentadas por eles, não apenas do mundo exterior, mas também dentro da própria sociedade. Enquanto isso, Asa Farrell, a ovelha negra que ousou sair da montanha em uma tentativa vã de uma vida normal, deve tentar preservar a comunidade volátil da qual ele tentou tanto escapar.

A primeira temporada completa também pode ser vista no Crackle. O serviço está disponível em todo o Brasil e, para ter acesso, os consumidores devem assinar a plataforma pela sua operadora de TV por Assinatura. Para assistir ao conteúdo em qualquer hora e lugar, o usuário pode baixar o aplicativo no seu dispositivo móvel com sistema operacional iOS ou Android - ou também acessar a plataforma pela Apple TV 4, Chromecast (com iOS), Xbox One, PS4 e Smart TVs Sony, LG e Toshiba, assim como pelo site oficial, que também traz todas as informações sobre assinaturas e conteúdo oferecido.

Fonte: Crackle (via informe publicitário)

0 comentários:

7 Dias em Entebbe,

7 DIAS EM ENTEBBE | Novo filme de José Padilha estreia no Festival de Berlim

7 Dias em Entebbe", novo filme do premiado diretor brasileiro José Padilha (dos filmes “Tropa de Elite”), será distribuído no Brasil pela Diamond Films e tem previsão de estreia para o primeiro semestre de 2018. Nos Estados Unidos, o longa-metragem deve estrear em 16/03/2018.
Cartaz oficial (Divulgação)

O elenco conta com os atores Rosamund Pike, Daniel Brühl e Eddie Marsan. A trilha sonora é do músico Rodrigo Amarante, ex-integrante da banda Los Hermanos e responsável pela trilha sonora da abertura do seriado "Narcos", produzido por Padilha. Daniel Rezende - diretor de "Bingo, O Rei das Manhãs"- é responsável pela montagem e Lula Carvalho assume a direção de fotografia.

Inspirado em fatos e com roteiro escrito por Gregory Burke, a trama é centrada no sequestro e no resgate dos passageiros do vôo 139 da Air France, que viajava de Tel Aviv para Paris, em 1976. Com apenas uma semana para cumprir os ultimatos dos terroristas, Israel deve tomar uma decisão crítica: negociar com eles ou fazer uma tentativa de resgate impossível.

A première mundial será na 68º edição do Berlinale, o Festival de Cinema de Berlim, que acontece entre 15 e 25/02/2018.

Fonte: Diamond Films (via press-release)

0 comentários:

ABC com a Turma da Mônica,

TURMA DA MÔNICA | Plataforma digital permite que crianças interajam em livro ilustrado

Já imaginou seu pequeno dentro de um livro personalizado e impresso da Turma da Mônica, interagindo com todos os personagens criados por Mauricio de Sousa? Isso é possível graças à tecnologia e uma ideia inovadora que quatro jovens empreendedores tiveram há pouco mais de um ano.

André Campelo, Flávio Aguiar, Diego Moraes e Felipe Paniago criaram uma plataforma online chamada Dentro da História, de navegação fácil e intuitiva, na qual as próprias crianças, com o auxílio de seus pais ou responsáveis, dão asas à imaginação, criam avatares igualzinhos a elas e fazem parte de incríveis livros educativos. É possível escolher a cor dos olhos, cabelos, estilo das roupas, tons de pele, tudo para ficar o mais parecido o possível com os pequenos. Além de existir no ambiente virtual, o livro também é impresso em papel, com o nome e o avatar da criança em destaque na capa e em todas as suas páginas impressas, transformando-a no personagem central da história.

Essa ideia chamou a atenção de grandes autores e marcas, dentre eles, o maior autor infantil brasileiro: Mauricio de Sousa. O resultado é que a Turma da Mônica está Dentro da História desde o começo da startup, com uma historinha encantadora, que já tem alguns milhões de personalizações de histórias online. A segunda história foi lançada no dia 27/11/2017, com grande expectativa: trata-se do livro "ABC com a Turma da Mônica", que pretende incentivar o interesse das crianças pelo alfabeto, tornando esse processo de aprendizado mais simples e divertido.

Como todos os livros criados pela startup, o "ABC" leva a criança a fazer parte da história, despertando ainda mais sua natural curiosidade e criando uma experiência inovadora de inclusão e aprendizado. Este novo livro personalizado da Turma da Mônica tem ainda como objetivos adicionais fazer com que as crianças reconheçam as letras, a ordem alfabética e se familiarizem com as palavras.

"O Mauricio de Sousa, ao longo de sua trajetória, criou mais de 300 personagens. Poder usá-los no livro vai ajudar as crianças a aprenderem o alfabeto de maneira divertida e dinâmica sem sair do universo tão lúdico da infância Na página com a letra 'A', por exemplo, as crianças vão interagir com o Anjinho e o Astronauta. Na que tem a letra 'C', vão protagonizar a história junto ao Cascão, o Chico Bento e o Cebolinha", explica André Campelo, cofundador e CEO da Dentro da História. "O livro poderá ser utilizado como orientação didática por pais e professores e ajudará os pequenos a iniciarem sua jornada no mundo da leitura", completa.

Todo o trabalho desenvolvido pela Dentro da História é voltado para a união das crianças com as emoções do universo infantil e dos heróis por meio de livros personalizados. O protagonismo dos pequenos em suas histórias preferidas promete estimular o interesse pela leitura e inovar os métodos de educação e aprendizado na infância.

Para mais informações e criar o livro personalizado, acesse o site oficial da Dentro da História. O preço do livro impresso é R$ 59,90, em papel laminado especial, capa dura e altíssima qualidade de impressão. Os custos de postagem são cobrados conforme a localização de postagem. A edição é enviada num prazo aproximado de sete dias para São Paulo e dez dias para demais cidades do Brasil.

Fonte: Dentro da História (via informe publicitário)

0 comentários:

Cress Williams,

CRÍTICA [STREAMING] | "Raio Negro: S01E01/S01E02", por Marlo George


A mais nova surpresa da DC Comics e da Warner Bros. é a série Raio Negro, baseada nos personagens criados por Tony Isabella e Trevor Von Eeden nos anos 70. E digo que é uma surpresa porque, após as três últimas trágicas produções cinematográficas (Esquadrão Suicida, Mulher Maravilha e Liga da Justiça), não esperava que a dobradinha DC/Warner nos apresentasse, tão cedo, um produto de qualidade, visto que sua última empreitada bem sucedida foi o incompreendido e injustiçado Batman Vs. Superman: A Origem da Justiça, que é uma obra-prima.

A qualidade do texto dos dois primeiros episódios de Raio Negro ofuscam as péssimas cenas de ação e o figurino horroroso da personagem. Os diálogos são tão espertos que toda a estranheza causada pela equipe de dublês e pelo uniforme reluzentemente equivocado são facilmente deixados de lado, e o que fica é uma vontade imensa de saber o que os roteiristas estão preparando para o restante da temporada.

Outro ponto alto é a trilha sonora irada, acompanhada por canções clássicas da black music. Criam o ambiente ideal para a história que está sendo contada e ainda apresenta para novas audiências astros como Billy Paul, por exemplo.

James "Rayden" Remar e Cress "Raio Negro" Williams

O elenco conta com atores desconhecidos, tanto que o único rosto conhecido (por mim, pelo menos) era o do ator James Remar, que interpretou Rayden em Mortal Kombat - A Aniquilação, de 1997. Não sei se levaram isso em consideração ou não, mas ter Rayden como parceiro do Raio Negro é, no mínimo, interessante de se ver. Ainda mais quando sabemos que o primeiro skin do Rayden, no game Injustice 2, é justamente o Raio Negro.

O Raio Negro em pessoa, Cress Williams, é o ator perfeito para o papel. Como Jefferson Pierce, passa a segurança e a moral que um diretor bad-ass de escola de periferia tem de ter. Como seu alter-ego, tem a postura e envergadura de um super-herói. Soa como uma mistura de Sidney Poitier, em Ao Mestre Com Carinho, com o Mr. T.

O restante do elenco dá conta do recado, com destaques para Marvin 'Krondon' Jones IIIWilliam Catlett, que interpretam os vilões Tobias Whale e Lala, respectivamente.

Tomara que a série mantenha o ritmo e se firme como mais uma das bem sucedidas adaptações da Berlanti Productions, que já nos presenteou com Arrow, The Flash, Vixen, Supergirl e D.C.´s Legends of Tomorrow

Já estou esperando o crossover.




Marlo George assistiu, escreveu e vive perguntando: "Am I black enough for you?"

0 comentários:

Ana Maria Moretzsohn,

NÃO SE ACEITAM DEVOLUÇÕES | Nova comédia com Leandro Hassum já tem trailer e data de estreia!

A Fox Film do Brasil acaba de divulgar o primeiro teaser trailer e cartaz de “Não Se Aceitam Devoluções”, novo filme estrelado por Leandro Hassum (foto) e produzido pela Total Entertainment. Ele interpreta Juca, um solteirão convicto que repentinamente vê sua vida virar de cabeça para baixo com a chegada de uma menina. A trama, repleta de surpresas, é versão nacional de “No se Aceptan Devoluciones”, produção homônima de língua espanhola, recordista de público no México. A estreia está prevista para 31/05/2018.

>>> Clique AQUI para assistir! 

No teaser, Juca aparece rodeado por mulheres até que sua ex-namorada americana Brenda aparece e deixa com ele Emma, um encantador bebê de apenas um ano. Juca, assustado, sem saber falar inglês, vai para os Estados Unidos com a esperança de encontrar a moça e devolver-lhe a criança. Mas o que ele não sabe é que situações para lá de inusitadas estão a sua espera.

Dirigido por André Moraes, o longa tem no elenco a atriz cubana Laura Ramos no papel de Brenda e a jovem revelação Manuela Kfouri como Emma, além de Jarbas Homem de Mello e Zéu Britto. O roteiro adaptado leva a assinatura de Ana Maria Moretzsohn e Patrícia Moretzsohn.
Cartaz oficial (Divulgação)

A produção é da Total Entertainment em coprodução com a Fox International Productions, com a mexicana Alebrije e com a Mistika.

Fonte: Fox Film do Brasil (via press-release)

0 comentários:

Disney,

HOMEM FORMIGA E A VESPA | Assista AGORA o primeiro trailer!

Demorou mas saiu o primeiro trailer legendado em português de "Homem Formiga e a Vespa", novo filme dos heróis diminutos estrelado por Paul Rudd, Evangeline Lilly, Michael Douglas, Michael Peña e participações especiais de Laurence Fishburne e Michelle Pfeifer.

>>> Clique AQUI para assistir! 



O trailer mostra as consequências da participação do Homem Formiga (Rudd) nos eventos mostrados em "Capitão América: Guerra Civil", uma vez que ele era um ex-presidiário em custódia semi-aberta e se envolveu num crime de ordem governamental, uma vez que super-seres estão sendo perseguidos pelo governo dos Estados Unidos. Dr. Hank Pym (Douglas) e sua filha Hope (Lilly) tiveram de fugir e se esconder - levando O PRÉDIO junto! Há também os primeiros vislumbres da heroína Vespa (Lilly) em plena ação.

O filme estreia em 05/07/2018 nos cinemas brasileiros.

Fonte: YouTube

0 comentários:

Destaques,

RIO2C | Evento audiovisual anuncia convidados da TV e da música mundial

O Rio Creative Conference - ou Rio2C -, evento que incorpora a experiência das sete edições prévias do RioContentMarket e passa a englobar música e inovação, anunciou o line-up de sua primeira edição. Alguns dos profissionais globais mais relevantes e influentes do audiovisual, da música e da inovação estarão no Rio2C, na Cidade das Artes, na Barra da Tijuca (RJ) entre os dias 03 e 08/04/2018.

No AUDIOVISUAL, Bruce Miller - criador, produtor executivo e roteirista de “The Handmaid’s Tale” -  marca presença no evento. A série, baseada no livro de mesmo título de Margaret Atwood, está disponível nos Estados Unidos na plataforma Hulu e estreia sua segunda temporada em 2018 . A primeira, inédita no Brasil, será exibida para assinantes do Paramount Channel em março com o título “O conto da aia”.

O Universo Marvel será revelado por Cort Lane, Vice-Presidente Sênior da Marvel para Animação e Entretenimento Familiar. Em palestra no Rio2C, Lane abordará o desenvolvimento e a produção de programas específicos para crianças e famílias, em animação ou live-action, além de oferecer consultoria e orientação para programas e produtos de consumo, eventos interativos e ao vivo e o parque da Disney.

Diretora de sucessos na TV como “The Walking Dead”, “Os Borgias” e “Penny Dreadful”, Kari Skogland - considerada uma das diretoras mais prolíficas no mundo de séries e longas-metragens -abordará a arte da direção.

No universo KIDS, a área de audiovisual contará com a presença da equipe Bureau of Magic. O produtor-executivo e diretor Mark Warshaw e os roteiristas Abram Makowka, Jared Mark e Darin Mark vão compartilhar a experiência com a série de animação “Perdidos em Oz” ('Lost in Oz'), que ganhou o prêmio Emmy e já tem segunda temporada garantida.

Os mistérios da US Disney ABC commissioning serão revelados por Jermaine Turner. Ele é diretor-executivo da Current Series & Co-Productions Animation para o Disney ABC Television Group.

Os documentários também estão em alta no Rio2C. Figs Jackman - Chefe de Desenvolvimento Global na Spring Films, premiada produtora britânica - vai tratar de documentários globais. A Spring Films foi ganhadora do Emmy de 2016/RTS/Peabody com “Night Will Fall” e recebeu duas indicações ao Oscar, uma por “The Act of Killing” e outra por “The Look of Silence”.

A perspectiva de um produtor de conteúdo cinemático será discutida e avaliada por Ron Yerxa, da Bona Fide Productions. Produtora com longa história na produção de filmes premiados e aclamados pela crítica desde 1993, a Bona Fide Productions conta com sucessos como “Pequena Miss Sunshine”, “Cold Mountain”, “Pecados Íntimos” e “Nebraska”.

Já o papel do agente será debatido por Nick Lafferty, agente de televisão na Creative Artists’ Agency (CAA), agência líder de esporte e entretenimento. Representante das principais produtoras na América Latina, Europa e Ásia, a CAA é líder em coproduções como “Narcos”, da Netflix; “Taboo”, de Tom Hardy para a BBC/FX; “Guerilla”, de John Ridley para a Sky/Showtime; além de adaptações de formatos como “House Of Cards” e “Shameless”.

Os executivos da Globalgate Entertainment, o cofundador e CEO, Clifford Werber, o cofundador e presidente executivo, William Pfeiffer e o co-fundador Paul Presberger vão tratar de conteúdo e desenvolvimento de trabalhos e remakes e sobre a propriedade intelectual.

As coproduções também estarão em destaque no Rio2C. A parceria Reino Unido – Brasil para a produção de séries de TV, documentários e dramas será tema de um painel que contará com três das principais produtoras britânicas: Carnival Films, Spring Films e Plimsoll Productions. A coprodução na América Latina será discutida por Jorge Sanchez - do Instituto Mexicano de Cinematografia, o IMCINE -, Mariela Besuievsky - da Tornasol Films - e Fidela Navarro, da Dopamine.

As coproduções com Alemanha e França ganham painel sobre negócios com a Alemanha com participação de Christian Beetz, da Gebrueder Beetz Filmproduction; Alexander Knetig, da ARTE Creative; e Ralf Quibeldey, da NDR (ARD/NDR Television Alemanha). Já as coproduções com a França com foco no público infantil serão abordadas por Pierre Siracusa, da France Télévisions.

O mercado de animação da América Latina será tema de painel apresentado por José Carlos García, do Ánima Estudios, o principal e mais prestigiado estúdio de animação da América Latina, que conta com distribuição global para o Reino Unido, EUA, Coréia do Sul e Rússia.

A partir da experiência aclamada de países nórdicos, o Rio2C vai propor o painel sobre como o conteúdo é capaz de ultrapassar os limites linguísticos para os negócios do audiovisual. Jarmo Lampela, Chefe de Dramaturgia da produtora YLE, da Finlândia, vai compartilhar a experiência sobre como a Finlândia, tal qual a Noruega e a Suécia, consegue exportar e impor sua dramaturgia no restante do mundo com sucessos como “The Killing”, “Arne Dahl” e “Borgen”.

A evolução de contratos de licenciamento no ambiente digital será discutida por Paul Lamb, executivo da Global Business Affairs com ampla experiência em negociação, análise e elaboração de acordos complexos de produção internacional com ênfase nos mercados norte-americano, canadense e latino-americano.

Em INOVAÇÃO, dentre os keynotes internacionais confirmados está o reitor do International Center of Photography de Nova York, Fred Ritchin. Professor, escritor e curador, Ritchin se dedica a projetos de mídia experimental para mudanças sociais e diretos humanos.

O destaque em arte digital é criador de “African Robots”, o artista, ativista, designer e programador Ralph Borland, que falará sobre seu projeto mundialmente reconhecido e sobre como produz novas formas de obras de rua unindo robótica, arte e transformação social.

Programador criativo e artista e um dos cofundadores do openFraneworks, Zach Lieberman vai compartilhar seus conhecimentos com o público B2B durante o Rio2C.

A INOVAÇÃO também contará com uma brasileira que ganhou o mundo em uma experiência criativa e única. Bruna Berford trabalha como animadora de VR no Penrose Studios, uma startup baseada em São Francisco. No Penrose, Bruna ajudou a trazer à vida a bela e única “Allumette”, um filme em VR, que teve sua estreia mundial no Festival de Cinema de Tribeca de 2016. Ela também foi a criadora e diretora de "Occupation: Animator”, considerado uma inspiração na comunidade de animação. Bruna se formou na Faculdade de Artes da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio).

Ainda em INOVAÇÃO, Luciana Carvalho vai falar sobre desenvolvimento de negócios e parcerias a partir de sua experiência com a REWIND. Com mais de cinco anos de experiência em startups premiadas, como a Racefully, UniPlaces, Import.io - tanto no lado técnico quanto criativo - Luciana é conduzida por grandes ideias, uma mentalidade global e por empoderar empresários tecnológicos. Ela é defensora e líder de pensamento para a indústria de tecnologia imersiva do Reino Unido, tendo desempenhado papel fundamental na fundação do Realities Centre em Londres, e do subgrupo VRAR Tech London Advocates. Embaixadora e mentora da Code First Girls, Fundadores do Futuro e da série Q, entre outros, ela também é cogestora da Unfold Inclusion, uma empresa social que apoia vozes sub-representadas em XR.

Em sua primeira edição, o Rio Creative Conference vai revelar as trajetórias e os legados de três grandes nomes da indústria da MÚSICA global: Moogie Canazio, músico, compositor, engenheiro de som, produtor e DJ que já trabalhou na gravação de mais de 500 álbuns, sendo alguns deles trabalhos de Sarah Vaughan, Diana Ross, Barbara Streisand, Sérgio Mendes, Caetano Veloso, dentre muitos outros. Geoffrey Emerick é engenheiro de áudio de estúdio de gravação inglês que trabalhou com os Beatles nos discos “Revolver”, “Sgt. Pepper´s Lonely Hearts Club Band”, “The Beatles” e “Abbey Road”. Ed Cherney, produtor, engenheiro é responsável por mixagens de álbuns de alguns dos principais artistas da música internacional, como Iggy Pop, Sting, Bob Dylan e os Rolling Stones, dentre muitos outros.

Adam Anders é outro nome confirmado. Produtor executivo de música conhecido pelo seu trabalho na série de comédia musical “Glee”, indicado ao Grammy e premiado com o ASCAPAnders falará sobre trilha sonora.

>>> Para conferir a programação e as novidades do Rio2C, acesse o site oficial

Fonte: Rio2C (via informe publicitário)

0 comentários:

Canal MAX,

STRIKE BACK | Quinta temporada já tem data de estreia no Brasil

A série "Strike Back" chega à quinta temporada no canal Max Prime, com um novo episódio todas as segundas-feiras, às 21h, a partir de 05/02/2018. Ao longo de 10 episódios, a trama acompanhará os membros da Seção 20 do serviço secreto inglês, que acaba de ser reaberta, enquanto eles enfrentam novas ameaças e novos inimigos.

Filmada na Jordânia e na Hungria, esta temporada de "Strike Back" tem uma história emocionante em que o desmontado programa da Seção 20 é retomado com o objetivo de localizar um terrorista depois da sua fuga da prisão. Com a missão de realizar uma operação de inteligência militar secreta e de alto risco, a unidade reformulada embarca em uma caçada humana, que revelará uma vasta rede de atividade criminosa interconectada. Enquanto se desloca pelo Oriente Médio e pela Europa, a equipe descobre uma conspiração mortal que ameaça transformar para sempre a guerra moderna.

A quinta temporada de "Strike Back" conta com um novo elenco formado por Warren Brown, Daniel MacPherson, Roxanne McKee (foto) e Alin Sumarwata. Além deles, estão na série Nina Sosanya, Katherine Kelly e Trevor Eve.

A série é apresentada pelo canal pago Max Prime em associação com a Sky, com produção da Left Bank Pictures. A produção executiva é de Cameron Roach para a Sky e Andy Harries para a Left Bank Pictures, junto com Sharon Hughff. Também estão de volta à quinta temporada o diretor e produtor executivo Michael Bassett e o showrunner e roteirista Jack Lothian, que também é produtor executivo. Pete Coogan é executivo de produção, Bill Shephard é produtor de séries e os produtores são Nuala O’Leary e Lawrence Cochran.

Fonte: HBO (via informe publicitário)

0 comentários:

Carla Salle,

MOTORRAD | Assista AGORA o novo trailer!

"Motorrad" - filme de suspense e terror dirigido por Vicente Amorim, baseado nos personagens criados pelo quadrinhista Danilo Beyruth - acabou de ganhar um novo trailer.

>>> Clique AQUI para assistir!

Na trama, um grupo de motoqueiros entra em território proibido e é seduzido a fazer uma trilha onde a beleza da paisagem vai sendo rapidamente substituída pelo medo e pela morte. Enfrentar o que os está caçando vai ser tão difícil quanto a convivência entre eles, marcada por sedução, violência e transformações. No elenco, Carla Salle, Emílio Dantas, Guilherme Prates, Juliana Lohmann, dentre outros.

>>> Já assistimos "Motorrad"! Clique AQUI para ler nossa crítica! 

Motorrad” é um thriller de alta voltagem, produzido por LG Tubaldini Jr e André Skaf (da Filmland Internacional) e tem estreia prevista para 01/03/2018 nos cinemas brasileiros.

Fonte: Filmland Internacional (via YouTube)

0 comentários:

Corra!,

OSCAR 2018 | Diretores de 'Corra!' e 'Lady Bird' comentam indicações ao prêmio

Quando foram anunciados os filmes, atores e diretores indicados ao Oscar 2018, muitos ficaram apreensivos porque este ou aquele filme, ator ou diretor não estava na prestigiada lista da Academia. Mas, independente dos critérios utilizados, muitos profissionais se manifestaram sobre as indicações. Jordan Peele (foto) - diretor do suspense 'Corra!' - lembrou da falta de estímulo da indústria em relação a um filme que aborda um tema ainda difícil nos dias de hoje - racismo -, ainda mais quando misturado ao terror clássico. Confira sua declaração:

Greta Gerwig (foto) - diretora de 'Lady Bird - A Hora de Voar' (e única mulher indicada ao prêmio de Direção em 2018) - preferiu agradecer o reconhecimento da Academia e se mostrou orgulhosa do talento das atrizes Saoirse Ronan e Laurie Metcalf, também indicadas como Melhor Atriz e Melhor Atriz Coadjuvante, respectivamente. Confira o que Gerwig disse:

O filme 'Corra!' concorre em quatro categorias, incluindo Melhor Filme, Direção e Ator. 'Lady Bird' concorre em cinco categorias, incluindo Melhor Filme, Direção e Atriz. A festa da maior premiação do cinema mundial acontecerá em 04/03/2018, no Teatro Dolby (Los Angeles) e será apresentada pelo comediante Jimmy Kimmel.

>>> Clique AQUI para conferir a lista completa de indicados!

Fonte: Universal Pictures (via press-release)

0 comentários:

Cartazes,

DE VOLTA | Filme libanês já tem trailer, cartaz e data de estreia

Nada é uma libanesa que volta ao seu país natal depois de anos vivendo fora. Mas o que pareceu ser um retorno às raízes se transformou em um novo recomeço num país que já não era mais o mesmo que ela deixou. "De Volta" ('Go Home') - filme dirigido por Jihane Chouaib -, relata o retorno dessa jovem mulher a um passado assombrado por uma guerra civil e a busca de si mesma. Nada quer descobrir o que aconteceu com o seu avô, que desapareceu misteriosamente durante a guerra. Distribuído pela Esfera Filmes, o filme estreia em 01/02/2018.

>>> Clique AQUI para assistir o trailer!
Cartaz oficial (Divulgação)
"Eu faço filmes para revelar personagens femininas em busca do absoluto. Mulheres que não se conformam com a realidade. Quando Nada aparece para nós, ela é fechada, teimosa e estranha. Guiada por uma integridade tão forte, que ela recusa todos os compromissos. Ela é uma estranha no seu próprio país. Sua família está dividida, a casa onde passou a infância está devastada, vandalizada, afogada em lixo. No entanto, Nada tenta consertar as coisas. Ela ainda não sabe o que está fazendo, mas está seguindo adiante. Ela briga, ela tenta, e ela se arrisca. Ela é uma sobrevivente, assombrada por uma dor que ela não entende" explica Jihane Chouaib, diretora do filme.

Para o papel da protagonista, foi escolhida a atriz iraniana Golshifteh Farahani (foto) - e não libanesa -, que fez uma leitura própria da personagem e imergiu completamente no mundo dela, aprendendo o dialeto libanês. Segundo a diretora, ela deu vida a Nada. "Golshifteh tem uma presença extraordinária, literalmente. Com sua beleza, seu mistério, a transparência e a pureza da sua atuação. Ela é mágica, e essa mágica é a âncora do filme fora de uma realidade básica. Não estamos somente olhando para Nada, estamos vislumbrando sua alma", elogiou Jihane.



Por fim, a diretora explica que a inspiração para fazer o filme veio de uma imagem que a assombra há mais de 10 anos. "Eu tinha em mente uma cena de uma menina plantada em um jardim cheio de lixo. Eu queria entender o que ela tinha a dizer. No filme, as pilhas de lixo no jardim são como tampas colocadas na memória da guerra. Eu queria confrontar a amnésia coletiva do Líbano, país onde 17 mil pessoas desapareceram durante a guerra civil", desabafa. "'Go home!' ('Volte pra casa!', em português) é uma expressão muito ouvida quando se é imigrante. 'Vá pra casa, volte para onde você vem'. E, um dia, você volta para o seu país natal e escuta de novo 'vá pra casa'. Você não é mais dali porque você mudou, o país mudou. O que é 'casa' hoje? Existe uma nova maneira de definí-la? O que significa `pertencer´ num momento de constante migração? Além do Líbano, onde o filme se passa, `De Volta´ tem várias origens, como eu" - conclui a diretora.

Fonte: Esfera Filmes (via press-release)

0 comentários:

Cartazes,

O FILHO URUGUAIO | Filme francês já tem cartaz, trailer e data de estreia

Com distribuição da Bonfilm, o filme “O Filho Uruguaio” - do diretor francês Olivier Peyon - traz um olhar envolvente e emocionante da busca de uma mãe por seu filho. Elogiado no Festival Varilux de Cinema Francês 2017, o longa-metragem chega aos cinemas brasileiros em 08/02/2018 em cinco cidades: Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre, Goiânia e Niterói. Em outras 14 (Brasília, Belo Horizonte, Curitiba, Salvador, Petrópolis, Pelotas, Rio Grande, Santa Maria, Caxias do Sul, Florianópolis, Vitória, Recife, Fortaleza, Maceió e Belém) estreia até 15/03/2018.

[ATUALIZAÇÃO]

O filme teve data de estreia adiada para 08/03/2018.

[FIM DA ATUALIZAÇÃO]

O trailer mostra a ansiedade e expectativa de Sylvie - interpretada por Isabelle Carré - para o encontro com o filho, sequestrado há quatro anos pelo pai. Segura do que se propõe, traça um plano para recuperar o filho que mora em Florida, cidadezinha do interior do Uruguai. E conta com o auxílio do assistente social Mehdi (Ramzy Bedia) em sua jornada. O que não imaginava é que nem tudo sairia conforme planejou.

>>> Clique AQUI para assistir!
Cartaz oficial (Divulgação)

O diretor Olivier Peyon - que prestigiou o Festival Varilux de Cinema Francês em 2017 - conta que o filme surgiu por conta de dois desejos: filmar na Argentina e contar a história vivida por amigo, sequestrado duas vezes: pelo pai e pelo amigo da mãe - que depois virou seu padrasto. Como referência, tinha obras como “Paris, Texas”, “Um Mundo Perfeito”, ou “Il ladro de Bambini”. Por questões de recursos, o projeto acabou se transferindo para o Uruguai e Peyon acabou se apaixonando por Florida e seus moradores, sendo que alguns atuaram no filme.  Em algumas cenas vê-se mescla de línguas entre francês e espanhol.

Comecei a trabalhar no projeto, mas como muitas vezes no cinema, ele mudou bastante no decorrer do tempo. Finalmente, filmei no Uruguai, e o assunto, cujo eixo é o desejo de paternidade, evoluiu muito com a criação dos personagens da tia e da avó uruguaias, para terminar dando um papel de destaque às mulheres. O verdadeiro assunto do filme é a maternidade”, explica o diretor.

Para o diretor, Sylvie - personagem  de Isabelle Carré - vai aos poucos aprendendo a ser mãe: “Ela não se encaixava no papel do que costuma se chamar de 'boa mãe'. E gostaria de se encaixar agora para compensar o tempo perdido e esforça-se bastante. Essa nova atitude dela soa falsa, não parece com o que ela é. Ela tenta se encaixar nos códigos da maternidade, que não correspondem à realidade. E somente quando ela descobrir a maneira que realmente corresponde a sua personalidade, sem fingir, que se tornará verdadeiramente mãe. Ou seja, na escuta das necessidades da criança, para conseguir avaliar o que é melhor para ela. Digo 'se tornará mãe', mas isso vale para um pai também. O correto seria dizer ‘tornar-se pais’”.

Sobre Isabelle Carré, o diretor relembra que havia gostado muito da atuação dela em “Le Refuge” e que ficou muito satisfeito com sua interpretação: “O personagem de Sylvie se encontra numa situação de emergência: quatro anos sem ver o filho não deixa para ela o tempo de compor ou de ser amável. Pedi à Isabelle para baixar o tom de voz dela e para estar sempre em movimento. Ela era meu pequeno soldado, disposta a tudo. Isso me sossegava e me estruturava. Acho que eu também a sossegava”.

Além de Carré, estão no elenco a argentina Maria Duplaá, e Ramzy Bedia - ator e diretor de comédias francesas como “Sozinhos Em Paris”.  Peyon conta que não pensou em Ramzy imediatamente mas buscava um ator que fosse sensível e generoso com outros atores, inclusive crianças. “Foi Isabelle quem me sugeriu. Ela acabava de filmar com ele 'Les Vents Contraires' e o elogiou. Enviei o roteiro para ele e tive sorte: aceitou imediatamente. Ramzy sempre atua em comédias, mas ele é um grande ator, muito delicado, inteligente, sensível e generoso. Durante os ensaios, sua sinergia era deslumbrante: ele irradiava a tela. Ver Isabelle e Ramzy juntos foi um verdadeiro presente. Eles tinham vontade de fazer o filme juntos e queriam mais cenas juntos. Eles me diziam: 'Escreve mais uma cena para nós!'", relembra.

Fonte: Bonfilm (via press-release)

0 comentários:

Beetle Bailey,

OBITUÁRIO | Morre Mort Walker, criador do Recruta Zero

Uma triste notícia para quem ama histórias em quadrinhos e cresceu lendo as tirinhas nos jornais. O cartunista Mort Walker (foto) - criador do popular personagem "Recruta Zero" - faleceu no dia 27/01/2018 em sua casa localizada em Stamford, Conn. Ele tinha 94 anos de idade. Quem confirmou sua morte foi Bill Morrison, presidente da National Cartoonists Society, cuja causa foi pneumonia.


Addison Morton Walker nasceu em 03/09/1923, em El Dorado, Kan. Ao contrário da preguiça característica de seu personagem mais famoso, Walker desenhou as histórias em quadrinhos do Recruta Zero - "Beetle Bailey" no original - por quase setenta anos consecutivos, mais do que a maioria dos cartunistas.

Lançado nos anos 1950, a obra máxima de Walker foi distribuída pelo King Features Sindicates e eventualmente alcançando mais de 200 milhões de leitores em 1200 jornais de todo o mundo, inclusive no Brasil. A turma do Recruta Zero - que incluía seu rival, o linha dura e brigão Sargento Tainha, o soldado aluado Dentinho, o espertalhão Quindim, a secretária Dona Tetê (que se desvencilhava do assédio do General Dureza), dentre muitos outros - foi um sucesso em histórias em quadrinhos, transformando-se em desenho animado, games, brinquedos e estrelou até mesmo um musical. Em 2010, o personagem foi tema de um selo do serviço postal norteamericano.

Em 1974, abriu o Museum of Cartoon Art numa mansão em Greenwich, Conn. A coleção de obras originais dos quadrinhos cresceu com a doação de sindicatos ligados aos jornais e diversos cartunistas, cujo valor foi avaliado em mais de 20 milhões de dólares. O museu foi realocado e fechado em 2002, já com o nome de International Museum of Cartoon Art, desta vez localizado em Boca Raton, Flórida, após declarar falência. Em 2008, suas mais de 200 mil peças fizeram parte do Ohio State University’s Billy Ireland Cartoon Library and Museum, onde uma galeria foi nomeada em homenagem a Walker.

Descanse em paz.

Fonte: The Washington Post

0 comentários:

Christopher McQuarrie,

MISSÃO: IMPOSSÍVEL - EFEITO FALLOUT | Tom Cruise em fuga na nova imagem

Tom Cruise (foto) saltando de um andaime em direção a um prédio sem o aparente auxílio de cordas. É o que mostra a nova imagem de "Missão: Impossível - Efeito Fallout" ('Mission: Impossible - Fallout'), sexto filme da lucrativa franquia, divulgada pela Paramount Pictures. Confira:
Foto oficial (Divulgação)

Na trama, Ethan Hunt (Cruise) e sua equipe do IMF (Alec Baldwin, Simon Pegg, Ving Rhames), na companhia de aliados conhecidos (Rebecca Ferguson, Michelle Monaghan), estão numa corrida contra o tempo depois que uma missão dá errado. Parece que as melhores intenções muitas vezes voltam para assombrá-los.

Henry Cavill, Angela Basset, Sean Harris, Wes Bentley, Frederick Schmidt e Vanessa Kirby são as novidades do elenco, com Christopher McQuarrie de volta à direção. A estreia no Brasil está programada para 26/07/2018.

Fonte: Paramount Pictures (via press-release) 

0 comentários:

Charlie Plummer,

CRÍTICA [CINEMA] | "Todo O Dinheiro do Mundo", por Kal J. Moon

Dirigido pelo veterano Ridley Scott, estrelado por Michelle Williams, Mark Wahlberg, Charlie Plummer e participação especial de Christopher Plummer, "Todo O Dinheiro do Mundo" é mais um filme sobre sequestro e ganância? Bem, vamos descobrir...

A misteriosa efígie da soberba
Há quem diga que o diretor Ridley Scott já deveria ter se aposentado de suas funções há anos. Quem somos nós para julgar se esta afirmação está correta ou não mas não vemos ninguém falando algo sequer parecido a respeito de Spielberg, por exemplo - mesmo que este tenha entregue filmes bem auto-indulgentes nos últimos anos) - ou de Tim Burton, que tem errado feio e rude há bastante tempo. Scott tem se distanciado gradativamente do esquema formulaico de fazer cinema em prol da experimentação. Nada contra. Algumas vezes acerta ("Gladiador", "Falcão Negro em Perigo"), outras erra ("Um Bom Ano", "Prometheus") e certas vezes simplesmente cria filmes "okay", sem assinatura ou personalidade marcante (como em "Perdido em Marte"). Mas a obra de Scott não deixa ninguém impassível. Cada lançamento seu gera muita expectativa - nem sempre correspondida, é verdade. Mas é bem possível que Scott esteja se cansando. Para o bem ou para o mal, "Todo O Dinheiro do Mundo" entra para o nada agradável rol dos filmes mais "okay" do diretor. E isso nunca é bom...

Inspirado na história real do sequestro do adolescente John Paul Getty III (Charlie Plummer), neto do magnata americano do petróleo John Paul Getty (Christopher Plummer), que aconteceu na Itália em 1973. A trama narra as tentativas desesperadas de sua devota mãe (Michelle Williams) em convencer o patriarca da família (Plummer) a pagar a grande quantia exigida para o resgate. Quando ele se recusa, ela tenta influenciá-lo - com o auxílio de um ex-agente secreto e funcionário de Getty (Wahlberg) -, enquanto os sequestradores de seu filho se tornam cada vez mais inflexíveis e brutais.

Vale lembrar que, sim, "Todo O Dinheiro do Mundo" é aquele filme que era estrelado por Kevin Spacey no papel de John Paul Getty e que, por conta das denúncias de assédio sexual contra o ator, o mesmo foi substituído - independente do trailer já ter sido lançado com o nome de Spacey atrelado ao elenco e algumas cenas com ele - por Christopher Plummer (que acabou indicado ao Globo de Ouro e ao Oscar 2018 por seu trabalho - o que não deixa de ser uma senhora esnobada nesta última premiação, assim como ao filme em si, que não foi indicado a nenhuma outra categoria, embora merecesse). O filme estava já na pós-produção quando a notícia do escândalo surgiu e Scott resolveu refilmar todas as suas cenas, contratando Plummer e, de certa forma, mudando o tom e a narrativa da película. Percebe-se isso por conta do protagonismo de Michelle Williams - o que é de se estranhar após toda a campanha de marketing apontando o trabalho - a princípio de Spacey - de Plummer como chamariz do filme.

O grande problema de "Todo O Dinheiro do Mundo" é o roteiro blasé escrito por David Scarpa - do medonho reboot de "O Dia Que a Terra Parou" - que, por sua vez, é baseado no livro escrito por John Pearson e conta uma história real. Mesmo dando descontos em relação à época em que se passa a trama, muitas questões - que mais parecem problemas de estruturação de roteiro do que fidelidade aos fatos - vêm à mente enquanto se assiste o filme. O personagem Fletcher Chase - interpretado no automático por Mark Wahlberg - é anunciado e descrito em diversos momentos como ex-agente secreto e especialista em negociações com pessoas instáveis e difíceis como sheiks do petróleo e terroristas. Mas, aos poucos, a personagem vai ficando sem funções, tendo seu espaço ganho pela personagem Gail Harris - interpretada com garra e determinação estupenda por Michelle Williams, que merecia pelo menos uma indicação ao Oscar por sua atuação. Até mesmo a melhor ideia de barganha com os sequestradores vem dela - quando deveria ter vindo dele, uma vez que era expert no assunto, certo?

(OK, tem UMA cena que contraria tudo o que disse, mas pareceu mais o efeito do desespero da personagem de Wahlberg do que um real negociação)

Algumas outras situações mostradas na trama beiram o absurdo, como sequestradores ficarem MESES com o sequestrado sem se chegar a um acordo ou assassinar a vítima e os peritos forenses italianos não serem capazes de distinguir o cadáver de um jovem e de um homem de meia idade, tendo de ouvir o óbvio da boca da mãe da vítima. Além disso, o roteiro tem diálogos irritantemente expositivos, traduzindo instantaneamente o que é dito em italiano - não importa o que seja -, feito exclusivamente para quem não domina o idioma (mais ou menos como vemos em muitas novelas televisivas - porém o recurso só é válido se o que é dito fosse algo imprescindível à trama e não alguns impropérios).

Por conta disso, "Todo O Dinheiro do Mundo" exigiu de Scott um tipo de direção em algo que ele não é hábil: a direção emocional de atores. Scott é conhecido por conceber imagens grandiosas, criação de mundos inexistentes mas perfeitamente críveis. Porém, aqui ele tem três núcleos narrativos bem bidimensionais para desenvolver a contento. O resultado, como disse, é "okay" mas nada realmente memorável ou efetivamente emocionante - exceto pela performance e entrega de Williams, que defende seu papel como quem depende disso para sobreviver. O espectador não chega às lágrimas ao desenlace dessa conturbada história, mesmo que esteja tenso desde o início - e se essa foi a intenção, desculpe, mas o projeto já nasceu errado.
Kevin Spacey sob pesada maquiagem no papel
de J. Paul Getty antes de ser substituído (Divulgação)
Outro problema foi a escalação de Christopher Plummer para substituir Kevin Spacey. Este último utilizou uma pesada maquiagem e próteses para ajudar na sua composição da personagem. Mesmo que em poucos segundos de exibição naquele trailer, vemos um Getty exausto, direto, impaciente mas, de alguma forma, com um charme que trazia uma aura humana à sua personalidade - do falso, extraiu-se o humano, demasiado humano. Plummer mais parece um velho resmungão (e "pão duro"!), uma caricatura, do que um personagem complexo - até porque não se tem muito dele em cena para que possamos decifrar o enigma do bilionário viciado em comprar obras de arte em vez de usar o dinheiro para viver ou salvar a vida do neto sequestrado. Pode até ser que tentou-se dar uma aura do protagonista de "Cidadão Kane" ao Getty interpretado por Plummer. O problema é que, mesmo sendo duro de admitir frente a tudo que sabemos, o talento de Spacey fez muita falta a esse filme - compare a cena no trailer onde Spacey responde que não vai pagar nada pelo resgate de seu neto com o que foi entregue por Plummer na cena finalizada e você vai entender o que quero dizer.

Já a estranha química entre Charlie Plummer e Romain Duris foi uma grata surpresa. Charlie é neto na vida real de Christopher Plummer e interpreta o neto sequestrado de Getty, inicialmente um "bon vivant" e depois uma vítima real de tortura psicológica por conta dos maus tratos que sofre. Duris interpreta o sequestrador Cinquanta, que serve de contraponto à violência exercida por seu bando, compadecendo-se do rapaz em alguns momentos, entregando um ~"bandido de bom coração" (na cabeça dele, claro), oferecendo-lhe algumas chances em situações onde não havia saída lógica.

A direção de fotografia comandada por Dariusz Wolski (do recente "Alien: Covenant", um dos melhores e mais bonitos filmes de 2017) cria ambientes bem interessantes visualmente, iniciando em branco e preto - rememorando o cinema de Fellini -, passando pelo sépia para, delicada e astutamente, embotar uma película com ar "lavado", com matizes de cor muito bem escolhidas em cada take para emular a emoção descrita nas cenas - repare na cena do trem no deserto. Aliado a isso está a edição da veterana Claire Simpson (Ganhadora do Oscar por seu trabalho em "Platoon"), principalmente no terço final, conferindo tensão e dinamismo à diversas sequências com maestria - mesmo que pudesse cortar uma boa meia hora do copião (o filme tem pouco mais de duas horas mas parece beirar as três horas de duração). Já a trilha sonora composta por Daniel Pemberton (do recente "Rei Arthur: A Lenda da Espada") é confusa e nada agradável, alternando momentos criados com o auxílio de música clássica com orquestrações sem o menor carisma - que só funciona efetivamente no terço final.

Embora "Todo O Dinheiro do Mundo" tenha lá seus méritos - mostrando o preço pago pela soberba humana numa época em que ser rico justificava suas ações - não deve fazer o sucesso esperado que recompense todo o esforço para levar este filme às telonas. Mas ficará perfeito após aquela edição marota ao ser exibido na sessão de filmes de sábado à noite na TV aberta. Ao final, vale pela estimulante e convincente performance de Michelle Williams, além do belo visual proporcionado pela competente direção de fotografia.




Kal J. Moon ainda está curioso para saber como era a versão do filme estrelado por Spacey. Mas, possivelmente, essa versão nunca será exibida.

1 comentários:

Bruno Fernandes,

FESTIVAL DE BERLIM 2018 | Filme brasileiro terá estreia mundial no evento

Depois de "Beira-Mar" - premiado como Melhor Filme - Novos Rumos no Festival do Rio 2015 -, Filipe Matzembacher e Marcio Reolon voltarão ao Festival de Berlim, agora com o mais novo filme, "Tinta Bruta". O longa terá estreia mundial na Mostra Panorama, em fevereiro de 2018


Com roteiro também assinado pela dupla, o filme conta a história de Pedro (Shico Menegat, foto), um jovem que tenta sobreviver em meio a um processo criminal, à partida de irmã e única amiga e aos olhares que recebe sempre que sai na rua. Sob o codinome "GarotoNeon", Pedro se apresenta no escuro do seu quarto para milhares de anônimos ao redor do mundo, pela internet. Com o corpo coberto de tinta, ele realiza performances eróticas na frente da webcam. Ao descobrir que outro rapaz (Bruno Fernandes) de sua cidade está copiando sua técnica, Pedro decide ir atrás do mesmo.

"Estamos muito felizes. Nosso primeiro longa-metragem, `Beira-Mar´, também estreou na Berlinale, na mostra Forum, e voltar para o festival agora, com nosso segundo longa na Panorama é um prazer imenso. Esperamos ansiosos pelas sessões no inverno berlinense, e mais ansiosos ainda em trazer o filme para o Brasil", comemora Marcio. Segundo Filipe, o projeto foi inspirado em outra produção da dupla. "O filme surgiu de uma vontade de falar sobre despedidas, raiva e resistência. Inicialmente a narrativa veio de um curta-metragem nosso, `Quarto Vazio´, mas durante o processo de escrita muito se modificou", afirma o diretor.

Os diretores explicam como funciona a parceria: "Nosso processo é bastante coletivo. Fazemos tudo juntos, desde a escrita do roteiro, os ensaios, decupagem, até durante as gravações e no acompanhamento da pós-produção. Temos bagagens muito semelhantes - ambos somos também atores, por exemplo -, mas alguns focos distintos que, quando combinados, acreditamos que contribuem para o nosso trabalho", revela Filipe.

Com produção da Avante Filmes, coprodução da Besouro Filmes e distribuição da Vitrine Filmes, o longa tem previsão de estreia nos cinemas brasileiros ainda em 2018.

Fonte: Vitrine Filmes (via press-release)

0 comentários:

Eventos,

FESTIVAL JOÃO ROCK | Evento musical já tem data confirmada

O Festival João Rock - um dos mais importantes eventos de música nacional - anuncia que acontecerá em 09/06/2018, em Ribeirão Preto (SP). Esta é a 17ª edição do evento que reúne os grandes nomes do rock e seus subgêneros, recebendo um público de mais de 50 mil pessoas de todas as regiões do Brasil para viver um dia de música, paz e diversão. 
Vista aérea do festival (Crédito: João Rock / Divulgação)
Já há 5 anos, o João Rock apresenta a venda de ingressos esgotadas cerca de 60 dias antes do evento. Detalhes sobre estrutura, venda de ingressos e programação, serão anunciados em breve. Para maiores informações, acesse o site oficial.

Fonte: Festival João Rock (via press-release)

0 comentários:

Christopher McQuarrie,

MISSÃO: IMPOSSÍVEL - EFEITO FALLOUT | Divulgada primeira imagem de Tom Cruise no filme

Tom Cruise (foto) está de volta à equipe de espionagem que lhe rende sucesso há vários anos. A Paramount Pictures divulgou a primeira imagem de "Missão: Impossível - Efeito Fallout" ('Mission: Impossible - Fallout'), sexto filme da lucrativa franquia, com Cruise arriscando-se, mais uma vez, numa cena sem dublês. Confira:
Foto oficial (Divulgação)
Na trama, Ethan Hunt (Cruise) e sua equipe do IMF (Alec Baldwin, Simon Pegg, Ving Rhames), na companhia de aliados conhecidos (Rebecca Ferguson, Michelle Monaghan), estão numa corrida contra o tempo depois que uma missão dá errado. Parece que as melhores intenções muitas vezes voltam para assombrá-los.

Henry Cavill, Angela Basset, Sean Harris, Wes Bentley, Frederick Schmidt e Vanessa Kirby são as novidades do elenco, com Christopher McQuarrie de volta à direção. A estreia no Brasil está programada para 26/07/2018.

Fonte: Paramount Pictures (via press-release) 

0 comentários:

Cartazes,

MAMMA MIA! LÁ VAMOS NÓS DE NOVO | Assista o primeiro trailer

O elenco original de “Mamma Mia” - musical lançado em 2008 e que arrecadou mais de US$ 600 milhões em todo o mundo - retorna para a sequência mais esperada do ano: “Mamma Mia! Lá Vamos Nós de Novo” ('Mamma Mia: Here We Go Again!').

>>> Clique AQUI para assistir o trailer!
Cartaz oficial (Divulgação)

Junto ao trailer, os fãs também foram presentados com o primeiro cartaz do filme (acima), que mostra o antes e depois dos personagens. A arte também apresenta Lily James, como Donna - interpretada por Meryl Streep no longa original - aos vinte e poucos anos.

Mamma Mia! Lá Vamos Nós de Novo” nos leva de volta para a mágica ilha grega de Kalokairi. Com trilha sonora dedicada aos sucessos do grupo ABBA não caracterizadas no primeiro filme, o musical é produzido por Judy Craymer e Gary Goetzman e conta com direção de Ol Parker. O longa chega aos cinemas em 19/07/2018.

Fonte: Universal Pictures (via press-release)

0 comentários:

Bob Odenkirk,

CRÍTICA [CINEMA] | "The Post - A Guerra Secreta", por Kal J. Moon

Dirigido por Steven Spielberg, estrelado por Meryl Streep, Tom Hanks, Bob Odenkirk, Matthew Rhys, Bruce Greenwood, Sarah Paulson, Jesse Plemons, Michael Stuhlbarg e grande elenco, "The Post - A Guerra Secreta" trata dos bastidores da revelação da maior derrota do governo dos Estados Unidos.


Intrincado triunvirato narrativo
Jornalismo é publicar aquilo que alguém não quer que se publique. Todo o resto é publicidade”, já disse, certa vez, alguém muito importante (Orwell para uns, Hearst para outros - a informação varia, dependendo da fonte). Independente do verdadeiro autor da frase, seu conteúdo é válido ainda hoje, em pleno século 21, mesmo com o advento da tecnologia em prol da rapidez de tráfego da informação pós-moderna. E se o conteúdo do que se publica onde quer que seja prejudica alguém atualmente de forma ainda mais contundente pela instantaneidade do processo de apuração de uma notícia, o mesmo não pode se dizer no século passado, entre as décadas de 1960 e 1970, durante a infame Guerra do Vietnã. É desse processo investigativo, perigoso e fascinante que trata "The Post - A Guerra Secreta", mostrando os bastidores de um grande jornal em busca de algo valiosíssimo: a verdade.

Na trama, Katharine Graham (Streep) - primeira editora de um grande jornal americano, o The Washington Post -, se alia a Ben Dradlee (Hanks) com o intuito de expor os segredos do Governo dos Estados Unidos mantidos a sete chaves por quatro presidentes e por mais de três décadas. Juntos, eles superarão as diferenças e arriscarão suas carreiras em prol da verdade.

O roteiro de "The Post" - escrito por Liz Hannah (egressa da TV) e Josh Singer (Ganhador do Oscar por "Spotlight - Segredos Revelados") - parte de três linhas narrativas distintas mas que, em algum momento, confluem para contar essa história: Kat (Streep) está prestes a abrir o capital das ações do jornal The Washington Post no mercado financeiro - algo dolorido pois o veículo não é rentável como antes e essa é a única saída para conseguir novos acionistas que invistam algum dinheiro nesse negócio. Ben Bradlee (Hanks) descobre - através de Ben Bagdikian (Bob Odenkirk) - segredos bombásticos sobre os bastidores da Guerra do Vietnã - que ainda está acontecendo no momento das investigações -, que trará material suficiente para manchar, ainda mais, o governo de Richard Nixon. E o momento da decisão de publicar - ou não - essa história, mesmo sob o risco de sofrer sanção - leia-se "censura" - direta do governo dos Estados Unidos para que nada do que está nos documentos encontrados - todos verdadeiros - venha chegar ao conhecimento do público (que não aprova o morticínio provocado por uma guerra que aquele país estava vergonhosamente perdendo).

(Curiosidade: em todas as cenas que o ex-Presidente Richard Nixon aparece na Casa Branca, de costas, a voz que ouvimos em respostas aos telefonemas é do próprio Nixon, de trechos retirados das fitas gravadas em segredo pelo escândalo posteriormente conhecido como "Watergate")

"The Post" não é um filme marcado por grandes interpretações mas sim uma trama de revelações bombásticas sobre a manipulação de informações acerca da inevitável derrocada na infame Guerra do Vietnã. E também é um instrumento ferino para manchar - ainda mais - a imagem do mandato do ex-Presidente Richard Nixon (1913-1994) e todas as suas manobras para encobrir cada detalhe sobre aquela operação específica. E ainda é um libelo acerca do que hoje chamamos de 'liberdade de imprensa'. Embora patriótico demais - como esperado -, revela uma ótima história, no fim das contas. É aquele tipo de filme que se assiste para entender o que aconteceu num período tão conturbado da História, sem se preocupar muito com os personagens, mas sim com o desdobrar da trama - recheada de todos aqueles momentos exaltando os esforços desses valorosos heróis e heroínas, autênticos norte-americanos numa luta inglória contra quem deveria defendê-los. Mais "spielberguiano" - e cafona - impossível...

(Claro que existem momentos que fará vibrar a classe jornalística, dada a veracidade de detalhes intrínsecos à profissão, desde gestos mínimos como chamar novatos de "foca" até minúcias relativas à publicação de um jornal, como o tipógrafo mudando, na marra, o texto redigido pelo jornalista, para montar corretamente o clichê de impressão. Destaque à atuação de Bob Odenkirk - famoso por dar vida, na TV, ao adorável pilantra Saul Goodman na badalada série "Breaking Bad" -, que rende diversos momentos investigativos plausíveis e totalmente interessantes dramaticamente falando. E ainda divide uma engraçada cena com Jesse Plemons, outro que veio do elenco de "Breaking Bad")

A direção de fotografia de Janusz Kaminski (ganhador do Oscar por seu trabalho em "A Lista de Schindler" e "O Resgate do Soldado Ryan", ambos também dirigidos por Spielberg) é construída de forma deslumbrante, com ângulos evocando dúvida, certeza, legalidade etc, como se estivéssemos assistindo uma peça de teatro onde heróis e vilões estivessem bem demarcados pela iluminação e pela forma como são apresentados didaticamente ao público.

Já a trilha sonora do veterano John Williams transpõe toda a grandiosidade da investigação jornalística, do heroísmo pé-no-chão em busca de justiça a qualquer custo, porém sem temas muito marcantes, como se espera desse grande profissional. Funciona mas não é algo assobiável.

O figurino criado por Ann Roth (ganhadora do Oscar por "O Paciente Inglês") é corretíssimo, reproduzindo com exatidão muito do que era usado na época, desde ternos com lapelas enormes até os vestidos luxuosos usados por Streep nas festas que sua personagem costumava conceder a importantes convidados.

Se por um lado temos Spielberg se cercando de ótimo (e numeroso) elenco e profissionais - mesmo que não tenha um brilho imediato de suas estrelas (Streep tem apenas UM grande momento de diálogo inspirado para fazer o que sabe melhor e, mesmo assim, não é lá grande coisa - sem contar na caricatura criada por Hanks para mostrar como era um jornalista dos anos 1970) -, o roteiro tenta condensar uma história que, tranquilamente, ficaria melhor se explorada numa série de TV de oito a dez episódios, onde haveria espaço suficiente para contar todos os detalhes dessa intrincada trama - que não é nem um pouco didática, dependendo de muito do que o espectador sabe para seguir acompanhando cada acontecimento exibido na telona.

"The Post" está longe de ser um filme ruim. Num dia difícil, Spielberg entrega um filme sobre algo tão importante - e tão vital - que fica complicado evitar que isso seja uma boa notícia no fim das contas. E, se tudo der certo, veremos uma continuação envolvendo o escândalo "Watergate". Que bom...




Para Kal J. Moon, "a verdade está lá fora". E, por isso mesmo, a porta está trancada...

0 comentários:

A Forma da Água,

CRÍTICA [CINEMA] | "A Forma da Água", por Marlo George



Repetindo fórmula e reciclando personagem, Del Toro decepciona em "A Forma da Água"


Sabe aquela sensação incômoda de déjà-vu?

Pois é! Foi assim que me senti ao assistir o badalado novo filme do diretor mexicano Guillermo Del Toro, de quem sou fã declarado. Em um mundo perfeito, A Forma da Água, filme que estreou no Brasil no Festival do Rio 2017, seria o meu filme preferido da temporada de premiações. Mas o mundo não é perfeito.

O diretor, que costuma ser inovador e inspirado, erra feio ao apresentar um longa com roteiro demasiadamente parecido com o de seu filme mais memorável, O Labirinto do Fauno, de 2006. Novamente temos uma história que se passa em meados do século XX, tratando do tema da guerra com toques de fantasia. Mais um conto de fadas moderno com desfecho semelhante ao de seu antecessor, o que passa a impressão de que Del Toro, neste gênero, só sabe contar a mesma história.

O diretor "usou a mesma forma de bolo", mas dessa vez esse solou, tendo em vista que a trama rasa e a falta de qualidade dos diálogos fazem de A Forma da Água um filme decepcionante.

A dupla protagonista, interpretada por Sally Hawkins e Doug Jones, em sua concepção artística, não em seu desenvolvimento, são versões de Ofelia (Ivana Baquero) de O Labirinto do Fauno e Abe Sapien, de Hellboy, sua adaptação dos quadrinhos de Mike Mignola, de 2004, respectivamente. Vale ressaltar que Sapien também foi interpretado por Jones.

Porém, deixando de lado o roteiro ruim e o caracter design equivocado, o filme acerta em diversos aspectos.

A direção de arte, que recria a América do Norte no período da guerra fria é muito competente, criando cenários que são retratos fiéis daquela época. Os figurinos também são muito convincentes e proporcionam uma viagem no tempo. A Fotografia também impressiona ao explorar as situações dos melhores ângulos possíveis, tornando o filme agradável de se assistir, apesar do roteiro sofrível.

É preciso dizer também que A Forma da Água é um filme que se destaca por seus intérpretes. O elenco está impecável e o longa traz algumas performances dignas de nota.

Sally Hawkins é muito bem sucedida ao dar vida à Elisa Esposito, uma personagem muda. Feito incrível que foi mal aproveitado pela ausência de criatividade da narrativa.

O duas vezes indicado ao Oscar Michael Shannon interpreta Richard Strickland, o vilão da trama, demonstrando mais uma vez que é um grande, talentoso e versátil ator. Com seu rosto sui generis e olhar forte é capaz de extrair o máximo de seus personagens, mesmo em situações nas quais o texto não contribua.

A divertida Octavia Spencer também brilha ao tornar sua personagem, Zelda Fuller, um mero alívio cômico, na figura mais interessante do longa. Mérito único e exclusivo da atriz.

Veterano, Richard Jenkins continua o bom trabalho com um personagem profundo que, de longe, é o mais bem construído do filme.

E pra finalizar, preciso falar sobre Doug Jones. Velho conhecido dos fãs de Del Toro, Jones novamente transforma-se numa criatura impressionantemente crível e real. Seu trabalho corporal e colocação em cena são técnica e artisticamente inigualáveis.

A Forma da Água não passa de um romance feérico ruim, tecnicamente competente e com ótimas atuações. É bem dirigido, pois o produto final é o que se espera de um diretor experiente como Del Toro, mas sem um roteiro decente, não há aspecto técnico que compense a escassez daquilo que considero primordial em uma produção cinematográfico: A história que está sendo contada.





Marlo George assistiu, escreveu e se desencantou.

1 comentários:

Círculo de Fogo: A Revolta,

CÍRCULO DE FOGO: A REVOLTA | Assista AGORA o novo trailer!

Em 2018, só os maiores vão sobreviver. E a Universal Pictures traz para os cinemas a sequência “Círculo de Fogo: A Revolta” ('Pacific Rim: Uprising'), segundo capítulo da aventura criada por Guillermo del Toro.

>>> Clique AQUI para assistir o novo trailer! 

Na sequência, o rebelde Jake Pentecostes (John Boyega, foto) - um piloto promissor de Jaeger cujo pai deu a vida para garantir a vitória da humanidade contra o monstruoso "Kaiju" – abandona sua formação apenas para tornar-se preso ao submundo do crime. Quando uma ameaça ainda mais imbatível desencadeia pelas cidades, ele tem uma última oportunidade de honrar o legado de seu pai através de sua irmã distante, Mako Mori (Rinko Kikuchi).         

Com produção de Guillermo del Toro e direção de Steven S. DeKnight, a produção destaca a história de conflitos entre monstros de destruição em massa e supermáquinas pilotadas por humanos. A aventura ainda traz Jing Tian, Cailee Spaeny, Burn Gorman, Adria Arjona e Charlie Day no elenco e tem estreia marcada para 22/03/2018 em circuito nacional.

Fonte: Universal Pictures (via press-release)

0 comentários:

Greta Gerwig,

LADY BIRD - A HORA DE VOAR | Divulgado novo trailer do filme com Saoirse Ronan

Com mais de 170 avaliações positivas no Rotten Tomatoes - tornando-se a produção mais bem classificada pela imprensa norte-americana desde Toy Story 2 -, “Lady Bird – A Hora de Voar” ('Lady Bird') acaba de ganhar um novo trailer.

>>> Clique AQUI para assistir!

Dirigido por Greta Gerwig e protagonizado por Saoirse Ronan (foto) - vencedora do Globo de Ouro na categoria de Melhor Atriz -, o filme é situado em Sacramento (California) e é um olhar sob as relações que nos moldam, as crenças que nos definem e a beleza ímpar de um lugar chamado lar.

Transitando entre humor e emoção, o filme apresenta a relação turbulenta entre mãe e filha. Adolescente, Christine (Ronan) luta contra, mas é exatamente como sua mãe (Tracy Letts), uma enfermeira descontrolavelmente amável, profundamente teimosa e obstinada que trabalha incansavelmente para manter sua família depois que o pai (Laurie Metcalf) perde o emprego. A estreia está marcada para 15/02/2018.

Fonte: Universal Pictures (via press-release)

0 comentários:

Aline Jones,

O NEGÓCIO | Quarta temporada já tem data de estreia

A data de estreia da quarta temporada de "O Negócio" já está marcada! Sucesso no Brasil e no exterior, a série original da HBO será lançada em 18/03/2018, às 21h, no canal HBO.

>>> Clique AQUI para assitir o teaser da nova temporada!

"O Negócio" acompanha a rotina de Karin (Rafaela Mandelli), Luna (Juliana Schalch), Magali (Michelle Batista) e Mia (Aline Jones), garotas de programa de luxo que se destacam no mercado. Elas colocaram em prática diversas estratégias de marketing que aprenderam e, com isso, não só conquistaram espaço no mercado como também criaram a bem-sucedida empresa Oceano Azul.

Nesta quarta e última temporada, Karin decide tornar a sua história pública para combater o preconceito contra as garotas de programa. Para isso, enfrentará a oposição dos setores mais conservadores pelos direitos das mulheres e dos grupos marginalizados da sociedade de modo geral.

Assinantes podem ver e rever as três primeiras temporadas da série "O Negócio" pela plataforma HBO GO.

Fonte: HBO (via press-release)

0 comentários:

Cartazes,

CÍRCULO DE FOGO: A REVOLTA | Divulgado novo cartaz do filme

A Universal Pictures divulgou um cartaz inédito de “Círculo de Fogo: A Revolta” ('Pacific Rim: Uprising'), sequência da aventura assinada por Guillermo del Toro que levou mais de 1 milhão de pessoas aos cinemas brasileiros. Confira:
Cartaz oficial (Divulgação)
O cartaz, que destaca a frase “Só os maiores vão sobreviver”, adianta o lançamento do novo trailer do longa que será divulgado em 24/01/2018. Com produção de Guillermo del Toro e direção de Steven S. DeKnight, a produção destaca a história de conflitos entre monstros de destruição em massa e supermáquinas pilotadas por humanos.

Na sequência, o rebelde Jake Pentecostes (John Boyega) - um piloto promissor de Jaeger cujo pai deu a vida para garantir a vitória da humanidade contra o monstruoso "Kaiju" – abandona sua formação apenas para tornar-se preso ao submundo do crime. Quando uma ameaça ainda mais imbatível desencadeia pelas cidades, ele tem uma última oportunidade de honrar o legado de seu pai através de sua irmã distante, Mako Mori (Rinko Kikuchi).     

A aventura ainda traz Jing Tian, Cailee Spaeny, Burn Gorman, Adria Arjona e Charlie Day no elenco e tem estreia prevista para 22/03/2018 em circuito nacional.

Fonte: Universal Pictures (via press-release)

0 comentários: